A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



quarta-feira, 11 de abril de 2012

O que é o amor





Inútil, explicar, definir... O amor. Senti-lo, vive-lo, demonstrá-lo... Isso é amar.


Flor entre pedras.


Naquele work shop, estavam reunidos profissionais de diversas áreas. O auditório bem iluminado e adequadamente climatizado, atendentes diligentes e atenciosas... Sobre a mesa do palestrante, um belíssimo e vistoso vaso, com uma plantinha não tão viçosa...


Em determinado momento, os assistentes foram convidados a definir o que era o amor de acordo com o ofício de cada um.


Uma professora, disse que o amor, era partilhar com os outros os conhecimentos e vivências legados pelo estudo; contribuindo assim, para a construção de uma sociedade melhor.


Um médico, disse que amor, era o alívio da dor, presenteando a vida com uma melhor qualidade de existir.


Um artista, definiu o amor, como sendo um dos combustíveis da inspiração, capaz de emprestar ao homem, as etéreas asas da criação.


Uma religiosa, via o amor, como o orvalho divino a mitigar a secura dos corações, atormentados pelas idiossincrasias dos tempos modernos.


Um filósofo, enxergava o amor, como sendo a sublimação dos sentimentos humanos em sua busca do bem, numa antítese ao mal.


Após diversas definições acerca do amor, o palestrante proferiu suas considerações finais. Algumas pessoas começaram a sair, enquanto outras conversavam animadamente. Foi quando um garoto com cerca de oito anos aproximou-se da mesa, encheu um copo com água e diante do rico vaso, molhou a terra esturricada, que até então roubara o viço daquela desamada planta.



(Postado aqui em julho de 2007).


Gostou desse texto?
Então vai gostar do nosso livro: Um dedo de prosa e poesia. A arte da vida.
Clique abaixo na capa para saber mais e adquirir seu exemplar.


São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...
Compre aqui!



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.

Compartilhe:

8 comentários:

  1. Antônio adorei o post... definir o amor com palavras é como nunca definí-lo.... só gestos são capazes de mostrar sua real extensão....
    Beijo no coração

    ResponderExcluir
  2. De fato, não é uma questão de definição mas de vivência.

    Obrigado pela visita. Volte sempre.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  3. É isso, o amor não se define, pratica-se.
    Muito bom.
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. É a ação no bem, o sentir além das palavras.

    Obrigado por ler e comentar.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  5. Antonio querido,
    Neste belo texto, o garoto, sem emitir uma só palavra, definiu com o coração, o que é o amor.
    Palavras são palavras. E é tão fácil falar!
    Amor é para ser vivenciado, realizado, vivificado. É doação, é sensibilidade, é ação sem medidas. O garoto sabia disto.
    Um grande e afetuoso beijo em seu coração, amigo.
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  6. Olá estimado António,

    Gostei das definições dada pelos intervenientes com diversas profissões.
    "Cada um puxou a brasa à sua sardinha", como, vulgarmente, dizemos, mas gostei muito da definição dada pela Professora e pelo Filósofo.

    Definir o amor é difícil. Podemos dar algumas ideias, exprimir pensamentos, mas senti-lo será o melhor caminho, a melhor das definições.

    Bem, mas quem brilhou mesmo, foi o garoto de oito anos. Deu amor, de maneira tão simples e tão ingénua.

    Abraços de luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse texto de Martha Medeiros. Bem ilustra as "definições" do amor:

      A fita métrica do Amor

      Como se mede uma pessoa?

      Os tamanhos variam conforme o grau de envolvimento. Ela é enorme pra você quando fala do que leu e viveu, quando trata
      você com carinho e respeito, quando olha nos olhos e sorri destravado.
      É pequena pra você quando só pensa em si mesma, quando se comporta de uma maneira pouco gentil, quando fracassa justamente
      no momento em que teria que demonstrar o que há de mais importante entre duas pessoas: a amizade.
      Uma pessoa é gigante pra você quando se interessa pela sua vida, quando busca alternativas para o seu crescimento,
      quando sonha junto.
      É pequena quando desvia do assunto.

      Uma pessoa é grande quando perdoa, quando compreende, quando se coloca no lugar do outro, quando age não de acordo com o
      que esperam dela, mas de acordo com o que espera de si mesma.
      Uma pessoa é pequena quando se deixa reger
      por comportamentos clichês.
      Uma mesma pessoa pode aparentar grandeza ou miudeza dentro de um relacionamento,

      pode crescer ou decrescer num espaço de poucas semanas:
      Será ela que mudou ou será que o amor é traiçoeiro nas suas medições?
      Uma decepção pode diminuir o tamanho de um
      amor que parecia ser grande.
      Uma ausência pode aumentar o tamanho de um
      amor que parecia ser ínfimo.
      É difícil conviver com esta elasticidade:
      as pessoas se agigantam e se encolhem aos nossos olhos. Nosso julgamento é feito não através de centímetros e metros,
      mas de ações e reações, de expectativas e frustrações.
      Uma pessoa é única ao estender a mão,
      e ao recolhê-la inesperadamente, se torna mais uma.
      O egoísmo unifica os insignificantes.
      Não é a altura, nem o peso, nem os músculos
      que tornam uma pessoa grande.
      É a sua sensibilidade sem tamanho...

      Martha Medeiros

      Excluir
  7. Bom dia querido António,

    Obrigada, de coração, pelas aprazíveis e gentis palavras, que deixou em meu blog, a propósito do aniversário do mesmo.
    A Fita Métrica de Martha Medeiros está sublime, divina, não tem tamanho.

    Já comeu uma fatia do bolo de amor, que é enorme?
    Bom Domingo.

    Um beijo, de coração.

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.