Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2007

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Imagem
Por si só, uma pedra É uma pedra. O uso que fazemos dela é o que faz a diferença: Construir, descansar, brincar, poetizar, matar, esculpir... Poema do livro: Essência (1999), de Antonio Pereira (Apon). Nem Renato Russo, Fernando Pessoa, plagiadores...
A pedra (mp3)
Antonio Pereira Apon.


A pedraEste poema foi publicado em 1999 no livro: Essência.
Autor: Antonio Pereira (Apon)

O distraído, nela tropeçou,o bruto a usou como projétil,o empreendedor, usando-a construiu,o campônio, cansado da lida,dela fez assento.Para os meninos foi brinquedo,Drummond a poetizou,Davi matou Golias...Por fim;o artista concebeu a mais bela escultura.Em todos os casos,a diferença não era a pedra.Mas o homem.


O poema acima é de minha única e exclusiva autoria. Descobri que ele tinha sido copiado do meu antigo* site (br.geocities.com/aponarte/, www.geocities.com/aponarte/ e estava circulando como de autor desconhecido, com o nome de plagiadores, e até autores famosos como: Renato Russo, Fernando Pessoa, Chaplin... Em …

Natal no apagão aéreo (2006)

Imagem
... Amante de esportes radicais? Procura adrenalina? Gosta de viver perigosamente? Compre uma passagem e embarque no fascinante mundo do descontrole do tráfego aéreo: fibras ópticas...
Antonio Pereira Apon.

Do desastre da GOL até a tragédia da TAM, tem gente dizendo que não sabia que a situação era tão grave. Pode???? "Relaxa e goza" meu povo!
Se você é ateu, nem passe perto de um aeroporto no Natal, segundo as otoridades avoadoras: Tudo está nas mãos de Deus. Mas, se você é destemido, esqueceu de tomar seu diazepínico ou é masoquista mesmo, dirija-se à área de embarque com seus apetrechos de camping (barraca, saco de dormir...). Primeiramente, monte seu acampamento, "segundamente", "arme o maior barraco" enquanto aguarda a intervenção divina.
Se for uma viagem de urgência, contrate um jegue, ir de jegue será mais rápido e seguro, jegues não costumam se chocar. Mas se advir o imponderável, o máximo que pode acontecer é uma jeguice.