A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



terça-feira, 13 de março de 2012

O que é...



 

Queremos amar e ser amados, mas, o que é o amor? Certamente, não é essa chama avassaladora que se convencionou chamar de paixão; amor é sintonia, afinidade entre seres no fluxo e refluxo das mais puras emoções. Uns, "amam" com os olhos, outros com o corpo, com a cabeça, o coração, o bolso... Poucos, amam com a alma, e a alma é a essência, o cerne de tudo, inclusive do amor. É facílimo dizer um "eu te amo", viver esse dito é que é verdadeiramente amar; amar o amor que não se desgasta, não azeda, não impõe, não escraviza, não trai, não se esvai...

 

Queremos querer, mas, será que queremos o que precisamos querer? O que hoje aparenta ser bom, amanhã pode se transfigurar em algo catastrófico. Um suposto sonho, pode sem avisos descambar num enorme pesadelo; assim, precisamos conhecer nosso querer, se é realmente importante, se é e será bom e útil. E mais importante ainda do que saber o que queremos é ter a perfeita ciência do que precisamos, pois a vida pouco nos dará do que queremos e sobejará no atendimento das nossas reais necessidades.

 

Queremos viver. Mas, a vida o que é? Claro que não é simplesmente respirar, se nutrir, reproduzir, se locomover, falar... Não basta estar biologicamente funcional para estar vivo, mesmo porque, a vida transcende ao corpo perecível. Viver é compreender e saber usar a dádiva do tempo para aprender, trabalhar, ajudar, crescer, criar...

 

Viver é ser capaz de ver o que muitos nem conseguem imaginar; perceber a felicidade que reside na simplicidade das pequenas coisas e dos momentos complexamente simples de cada dia; entender as engrenagens que movem o existir no ininterrupto ciclo das experiências humanas, no infindo ir e vir de coisas, sentimentos e pessoas. Viver é armazenar muito de bem, sem permitir que os detritos e a poeira do mal se avolumem no estoque da sua História; é ter a certeza que após cada noite tempestuosa, surge um poético alvorecer. Viver é não se permitir deter pelo medo, nem pela incerteza, pelo amargor das desilusões, nem pelo fel da desesperança; viver é não estagnar nas lembranças doridas, nem no lamento estéril, é crer na vida, no ser feliz, no amor, no querer.

 

 

(Postado aqui em 18 de agosto de 2007)

 

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon) (Além do nome do autor, cite o link para o site http://www.aponarte.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Leia mais no Apon HP: Mensagens, poesias, artigos, crônicas, humor...

Compartilhe:

4 comentários:

  1. Que lindo isso que expusestes aqui nesse texto reflexivo, pois é mesmo assim, o amor é paz,do contrario é paixão e como sabes, paixão é dor, muita dor, viver uma paixão é bom para aprendizado, poder saber distinguir o verdadeiro viver!!!
    Abraços
    Ivone

    ResponderExcluir
  2. Olá querido Antonio,
    Viver é fazer o que estamos fazendo agora: nos comunicando, nos oportunizando conhecimentos e pessoas que jamais pensamos que pudessem existir, não fosse a prodigiosa maravilha da virtualidade.
    Lindo seu texto, amigo! Amar é querer viver!
    Um beijo em seu coração,
    Maria Paraguassu.

    ResponderExcluir
  3. Excelente texto!
    Estou aqui refletindo...Amei!
    Obrigada pela partilha.
    Abraços amigo! Tudo de bom pra ti.

    ResponderExcluir
  4. Olá António,

    Texto bem significativo.
    O que é o Amor? Boa pergunta.
    Amor é partilha, entendimento, cooperação, alegria, entrega, cumplicidade e lealdade. E com todos esses nomes, que são abstratos, se vive, em plenitude.

    Abraço de vida e de luz.

    ResponderExcluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.