Oração das mãos

 

Senhor! dai-me mãos que não apertem gatilhos,

mas que livrem outras mãos de apertarem-nos.

Dai-me mãos que não se desesperem,

mas ajudem as mãos desesperadas.

Dai-me mãos que não humilhem,

mas que perdoem a humilhação.

Dai-me mãos que não roubem,

mas que ensinem outras mãos a não roubar.

Senhor! dai-me:

mãos que livram e que ajudam,

mãos que perdoam e que ensinam.

Senhor! dai-me:

Mãos que semeiam e que guiam,

mãos que acariciam.

Senhor! dai-me mãos!

Mãos que se encontram e que pacificam,

mãos que amam.

Senhor! dai-me:

Mãos que toquem e que salvem,

mãos que anestesiem a dor.

Dai-me senhor:

Mãos que pedem e agradecem,

mãos que oram.

Senhor! dai-me mãos que ensinem

outras mãos a serem mãos.

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon) (Além do nome do autor, cite o link para o site http://www.aponarte.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Leia mais no Apon HP: Mensagens, poesias, artigos, crônicas, humor...

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”