Tragédia nacional



... Descalabros se sucedem, escândalos se reeditam e a indignação acaba, quando começa o futebol, o carnaval e a cerveja; estamos mais preocupados em saber quem é o assassino da novela...


Antonio Pereira Apon.


Bola de futebol.


Conta uma piada, que Deus estava criando o mundo, enquanto o Diabo observava. Percebendo que o criador recheava o Brasil de coisas boas, o Capeta questionou o motivo de tantos "privilégios" e recebeu do Senhor a resposta:


- Espere para ver o povo que vou colocar aqui dentro! ...


Vem governo e vai governo, entra legislatura e sai legislatura. Se avolumam os problemas, a insatisfação e o desencanto. Grande parte da classe(?)política,  já perdeu completamente o pudor de demonstrar seu mais completo desapreço à opinião pública e seu descompromisso com a cidadania e o mínimo de ética.


Descalabros se sucedem, escândalos se reeditam e a indignação acaba, quando começa o futebol, o carnaval e a cerveja; estamos mais preocupados em saber quem é o assassino da novela das oito, do que com o que o povo de um país verdadeiramente sério deveria se preocupar.


Falamos, reclamamos mas não fazemos absolutamente nada. Continuamos a votar como quem vai ao vaso sanitário, tratamos o voto como uma prostituta barata, que vende-se por qualquer coisa, a qualquer um.


Quantos envolvidos em notórias maracutáias são eleitos e reeleitos? A culpa é de quem? Então, uma Nação que elege tal gente, não precisa de inimigo, terremoto, furacão ou qualquer outro desastre natural, ela própria, cria seu flagelo, sua tragédia nacional.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”