Viva a independência!!! Salute to independence day!



… construímos a ilusão de um país eternamente do futuro, onde pacífico e passivo tornaram-se sinônimos para designar um povo que “ganhou” o direito de falar e votar, mas não o de ser verdadeiramente ouvido e respeitado. Vivemos um interminável faz de conta, nossos políticos mais se assemelham ao Voldemort do Harry Potter...

Antonio Pereira Apon.


Quadro: “Independência ou morte”.

Nossa História está tão recheada de estórias e supostos heróis, que fica difícil saber o que é ficção ou realidade. O episódio da independência, por exemplo, mas parece um daqueles velhos contos de “capa e espada” ou um quadrinho do Zorro. Trocamos bacalhau por hambúrguer, falamos um português cada vez mais saxão, nossa TV digital é japonesa, nossos computadores são americanos, nossos remédios... Nossos celulares... Nossa Amazônia... Nosso provincianismo...


Algumas privatizações nos fazem lembrar o rei Midas e o seu inverso, o político Sadim, uns dizem que transformamos titica em ouro, outros afirmam que trocamos ouro por titica. Só as “forças ocultas” sabem do “real”. Saindo da alquimia neoliberal, caímos no não menos neoliberal “conto de fadas” do “sapo” que, beijado pela princesa democracia, se transformou no príncipe salvador da pátria. Porém... Uma maldição das tais “forças ocultas” recaiu sobre ele, que não sabia de nada que se passava a seu redor. Assim, os poderosos ficaram cada vez mais poderosos, os mais pobres receberam bolsa família; o resto pagava mais e mais impostos, relaxava e gozava nos aeroportos, enquanto sua alteza em seu tapete mágico propalava as virtudes do biocombustível. Por falar em tapete mágico... Lembrei-me das “mil e uma noites” por conta do emblemático número de 40 indiciados pelo STF como supostos mensaleiros. Só me ficou uma dúvida: O Ali Baba está entre eles? Ou escapou???


Entre factoides históricos, construímos a ilusão de um país eternamente do futuro, onde pacífico e passivo tornaram-se sinônimos para designar um povo que “ganhou” o direito de falar e votar, mas não o de ser verdadeiramente ouvido e respeitado. Vivemos um interminável faz de conta, nossos políticos mais se assemelham ao Voldemort do Harry Potter do que a qualquer rascunho de heroísmo nacional ou importado. Mudam os nomes na grande ideologia de ter por ideologia a conveniência. Trocamos seis por meia dúzia, constatando que esquerda e direita são “farinha do mesmo saco”, oposição e situação não passam de “gatos do mesmo balaio” nessa dependente e subserviente independência globalizada.


Salute to Brazil!


Salute to independence day!



(Postado aqui em 01 DE SETEMBRO DE 2007).


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Um texto com uma reflexão político-democrática onde nas suas inteligentes entrelinhas mostra-nos nossa escravidão aos usos e costumes alheios por nós exacerbadamente adotados. Reverenciamo-os no poder do ter, pois só assim nos permitimos subir ou descer na escala social, ainda que para tanto tenha que "vender a alma pro diabo"... Acordem minha gente! Os "corruptos estão soltos".
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Célia.

      Até quando? Eta sociedade alienada!

      Um abração e bom fim de semana.

      Excluir
  2. oLÁ AMIGO APON-Você Idealizou e eu concretizei,hoje estou aqui registrando minha participação.
    "hoje os Blogueiros ,estão em festa",sabe onde,aqui no Jardim do Amor*
    http://aflorenigmatica.blogspot.com.br/

    Te espero lá.
    Bjus\Flor*

    ResponderExcluir
  3. Olá Antônio,

    Li seu texto, bem interessante e bem verdade.
    Chamaria "BRASIL NO SEU MELHOR".
    Dia 7 falaremos. É feriado e dia do "Grito do Ipiranga".

    Bom resto de sábado.

    Abraço, com afeto, da Luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Luz.

      Não sabemos aonde termina a verdade e começa a fantasia. A História e o faz de conta

      Um abração e uma boa semana..

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Felicidade e as estações da vida

Os pais e a "baleia azul"

Ganhadores. O que faz a diferença

Tempo e amor