Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2008

Retrato da vida

Imagem
Retrato da vida Autor: Antonio Pereira (Apon)Queremos viver segundo uma fórmula toda particular, de acordo com o “teorema” criado conforme nossos pontos de vista. Mas a vida não é uma ciência exata, e ainda mais inexatos somos nós. Costumamos “terceirizar” a responsabilidade por nosso desiderato, e quando: o filho, o amigo, o colega, o cônjuge, os pais... não se moldam às nossas expectativas, nos encasulamos em nosso eu, erguendo muralhas de silêncio, inconformação, distanciamento, animosidades... Ante o descompasso entre nossas ideações e a realidade, não enxergando no outro nosso próprio reflexo; nos sentimos: injustiçados, perseguidos, incompreendidos... Cobramos dos outros, que se coloquem em nosso lugar, contudo, abortamos a recíproca: pré-julgando, condenando, censurando, combatendo, medindo por nossa pessoal medida... Na vida não existe receita pronta nem prato feito. Cada dia é novo e único, cada pessoa é um ser singular e a dinâmica dos acontecimentos, exige uma ativa flexibilidad…

Faces da fé

Imagem
Faces da fé Autor: Antonio Pereira (Apon) Fé lúcida, é discernimento, Fé enlouquecida, é fanatismo. Fé que propõe, é alternativa, Fé que impõe, é intolerância. Fé que trabalha, é caridade, Fé ociosa, é negligência. Fé que liberta, é sabedoria, Fé que escraviza, é ignorância. Fé que engana, é estelionato, Fé que esclarece, é luz. Fé vendida, é muamba, Fé comprada, é descaminho. fé raciocinada, é consciência, Fé cega, é insensatez. Fé que sonha, é idealismo, Fé que delira, é vício. Fé tolerante, é paciência, Fé intransigente, é tirania. Fé que pede, é oração, Fé que exige, é blasfêmia. Fé que aceita, é resignação, Fé que reclama, é lamúria. Fé na mente, é convicção, Fé na língua, é retórica oca. Fé que perdoa, é oportunidade, Fé que condena, é incoerência. Fé que acolhe, é fraternidade, Fé preconceituosa, é cizânia Fé sóbria, é humildade, Fé espalhafatosa, é exibicionismo. Fé decorada, é cultura inútil, Fé aprendida, é elevação. Fé inclusiva, é amor, Fé excludente, é arrogância. Fé que acorda, é asa,