Borboletas e a vida

 

Na natureza, existem criaturas que vivem na escuridão de cavernas, em fundas tocas, nas profundezas do mar ou incursas no solo. Não suportando nada que altere as condições vulgares em que estão “confortavelmente” ambientadas.

Semelhante a isso, vemos pessoas ensimesmadas, insuladas nas cavernas do ego, enfurnadas em “verdades “ próprias, soterradas em dogmas particulares, afogadas em cismas e preconceitos. Esclarecimentos lhes fere a visão, ponderações lhes ofende a audição, pensamentos divergentes lhes irrita a percepção. Tudo e todos devem se adequar e submeter a seu mundo íntimo. Não toleram, não transigem, não mudam.

 

suscetíveis, melindrosas... Cristalizam-se em seus conceitos, tentam impor aos outros a sua forma de pensar. Ante a impossibilidade de subjugarem a realidade, tornam-se escravas de si mesmas, julgando-se injustiçadas, incompreendidas, afrontadas.

 

Diverso de tudo isso, a natureza nos brinda com um exemplo inverso, o das borboletas, que não tardam mais que o necessário em seu casulo. Rompem a clausura e alçam vôo para a vida como ela é.

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon) (Além do nome do autor, cite o link para o site http://www.aponarte.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Leia mais no Apon HP: Mensagens, poesias, artigos, crônicas, humor...

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Folclore brasileiro em acróstico

Precisa de tinta para escanear?

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”