Alforria telefônica - 2

Alforria telefônica – 2

Por: Antonio Pereira (Apon)

 

Teoricamente, todos os soteropolitanos já podem mudar de operadora de telefonia (fixa e móvel) conservando seu respectivo número, porém, ficamos que nem os “libertos” pela lei aurea. Sem ter para onde ir.

A letargia na implantação dos serviços de telefonia fixa, das concorrentes da monossilábica, condena boa parte dos usuários da capital baiana, a permanecer sob o julgo de serviços caríssimos e antagônicos à vontade do consumidor.

O calendário de implementação da portabilidade numérica, foi divulgado com razoável antecedência. O que acontece? Incompetência? Desinteresse? discriminação? ... A monossilábica agradece.

  

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Folclore brasileiro em acróstico

Precisa de tinta para escanear?

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”