Devagar devagarinho

Não podemos negar, que há um certo avanço no transplante de órgãos na Bahia. Mas, observando o quanto falta fazer... Quando a unidade de medula do Hospital das clínicas começará a funcionar plenamente? Quando teremos captações em número minimamente aceitável? Está descartada a possibilidade de faltar algum medicamento indispensável aos transplantados? Todas as câmaras técnicas estão implantadas e em funcionamento? Temos esclarecido suficientemente e adequadamente a população? As comissões de notificação estão efetivamente funcionando nos hospitais?...? ...?

 

Refletindo sobre tudo isso, lembramos daquele sambinha do Martinho da Vila: “é devagar, é devagar, é devagar, é devagar é devagar devagarinho...”.

 

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”