Vidas expostas



... Será que são menos gente? Será que dor não sentem? Quem nos há de responder? O político a quem a mentira apraz? O poder que pouco faz? Será que a culpa é da imprensa?! Ou será São Pedro...


Deslizamento de encosta.


O que tem feito, Seu Prefeito?

E o Senhor, Governador?

Nas encostas,

vidas expostas,

pêndulos que a morte espreita.

Casebres de improviso e miséria,

(des)equilibrados,

à beira do precipício social.

Caem as previstas chuvas,

e o previsível descaso,

deixa rolarem as lágrimas,

correr a terra,

soterrar o destino indigente.

Será que são menos gente?

Será que dor não sentem?

Quem nos há de responder?

O político a quem a mentira apraz?

o poder que pouco faz?

Será que a culpa é da imprensa?!

Ou será São Pedro o culpado?

Vidas expostas,

morrer agendado para o próximo temporal?????????



(Postado aqui em 25 de maio de 2009).


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Folclore brasileiro em acróstico

Precisa de tinta para escanear?

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”