A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

O natal dos bichos - Antonio Pereira (Apon)





Paz, amor, fraternidade... ...Deus é o criador da natureza, e o natal é a festa de todos os seus filhos...


Antonio Pereira Apon.


Ilustração de Samara Dias (08 anos).


Capa da segunda edição da : Coleção Graziela.
Esse mais seis contos infantis, estão na: Coleção Graziela.
Clique aqui para conhecer.


Era uma noite calma na floresta quando o papagaio se aproximou do urubu para conversar:

- Seu urubu, estou recolhendo contribuições para fazermos uma festa de natal na floresta.

- Natal é coisa de gente rapaz! E de gente rica! Não é coisa de bicho, muito menos de bicho pobre.

- Deus é o criador da natureza, e o natal é a festa de todos os seus filhos.

- Qual é seu papagaio?! Com esse papo de Deus você está é aprontando alguma, conte pra mim vá ; quanto você vai ganhar com essa festa?

- Meu lucro é ver todos unidos comemorando o nascimento de Jesus cristo.

- Olha só gente! O louro virou crente!.. seu papagaio o senhor não me engana. Um dia desses, o senhor e o macaco estavam pela floresta a distribuir uns livrinhos de piadas indecentes, agora quer dar uma de santinho é?

- A gente muda seu urubu!.. mas não tenho tempo a perder. O senhor vai ou não vai colaborar? Quem não tem nada para dar, ajuda com trabalho.

Nesse instante a preguiça surgiu irritada:

- Quem está dando palavrão tão feio na floresta? Não se tem mais respeito por aqui?

- Que palavrão dona preguiça? - Perguntou o papagaio.

- Trabalho! Quer palavrão pior que esse?

- Deixe de preguiça dona preguiça, vamos fazer nossa festinha. - Convidou o papagaio.

- O macaco já tinha me falado dessa festa. Eu tô fora.

- Vocês é que sabem. Mas se mudarem de ideia nos procurem; o gambá já está cuidando da decoração.

Com ar de desprezo, o urubu foi perguntando: - Aquele preto fedorento?!

O gambá, que passava ali por perto, ouvindo o que dizia o urubu a seu respeito, reagiu alucinado:

- Eu ouvi isso! Eu ouvi isso seu descompreendido! Por acaso, não é o senhor que vive na carniça? Quem ouve o senhor falar, pensa até que o senhor é branquinho; e que importância tem ser preto, branco, azul? ... caráter não tem cor!

O papagaio, concordando com o gambá, recriminou o urubu:

- Que coisa feia seu urubu. Somos todos iguais diante de Deus.

Até a preguiça, ficou contra o urubu:

- Aí você pisou na bola meu nêgo, racismo é um palavrão muito pior do que trabalho.

Nesse momento, chegou o macaco:

- E aí pessoal?! Vamos ficar aqui parados conversando? Daqui a pouco está na hora da festa.

- Eu estava aqui convidando seu urubu e dona preguiça, mas eles não querem participar. - lamentou o papagaio.

- Mas que bobagem é essa pessoal? Vamos nos unir, lembrar o presépio de Belém.

- Lá não tinha urubu, papagaio, gambá... - disse o urubu.

- Nem preguiça! - completou a própria.

- Lá só tinha o intrometido do burro, a metida da ovelha, com seu casaco de lã e outros bichos chatos. - finalizou o urubu.

E a preguiça:

- Natal não é para nós, eu vou é dormir!..

Decepcionado, o macaco chama os amigos para irem terminar os preparativos da festa:

- Olha pessoal, vamos deixar esses dois aí, se eles não querem, o que podemos fazer?

- E você, conseguiu falar com o leão lá na Disney? - perguntou o papagaio.

- Falei, mas ele não poderá vir, sabe como é vida de artista não é?

- É... Mas vamos ao trabalho! - convocou o gambá.


Enquanto os outros animais alegremente preparavam a floresta para a grande festa o urubu e a preguiça se escondiam nas sombras da noite em um canto isolado e triste.

Quando a festa começou, uma grande estrela apareceu no céu, iluminando a todos que se confraternizavam na alegria e na paz.

No seu canto escuro e triste, só restava à preguiça e ao urubu o lamento de quem não quis a felicidade de repartir com os outros a alegria do natal.

- Olha como eles estão felizes, dona preguiça.

- E nós aqui, feito dois bestas.

- Nós erramos, Vamos lá pedir desculpas!

- Eu não seu urubu, tenho vergonha. Nós não ajudamos em nada.

- Eu não devia ter falado aquelas besteiras.

- Agora não adianta chorar pelo leite derramado...

Para surpresa dos dois, naquele instante todos os bichos da floresta se aproximaram trazendo presentes.

- Nós não merecemos. - disse o urubu envergonhado.

- Meu Deus, que vergonha, nunca mais vou ser tão preguiçosa. - choramingou a preguiça.

Uma bela jovem, surgiu de dentro de uma grande luz e falou:


- Eu sou a fraternidade

quero a amizade e a união,

pois Jesus Cristo ensinou

que o amor é maior que tudo.

De Belém

um canto novo

diz que todos são iguais,

ninguém é melhor que o outro!

Quem diz é Deus, nosso pai;

amor que dele emana

é a luz que nos irmana

na poesia do natal.



(Postado aqui em 20 DE JULHO DE 2009).


Clique na imagem abaixo para ler outro post de fim de ano, sorteado pelo sistema:


Clique aqui.


Ou clique num dos links abaixo para ler outro post de fim de ano, já escolhido aleatóriamente pelo sistema:



Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Compartilhe:

2 comentários:

  1. Oi, Antônio!

    Tão interessante esse texto!
    Os bichos dando exemplo ao bicho Homem. Assim, é que nós nos deveríamos comportar.

    "Roubei" um presentinho da sua árvore da Natal.
    Penso que é uma rosinha, em chocolate. Sorry!

    Abraço da Luz, com carinho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Individualista, egoísta e egocêntrico. O ser humano, tenta a todo custo, terceirizar os seus fazeres e colher o que não se digna a cultivar. Lamenta, reclama, blasfema... Espera por milagre, suspira por magicas, reclama benesses Divinas.... Enquanto a natureza oferece fartas lições para o nosso melhor. Queremos aprender???

      Estás sempre a levar coisinhas das nossas ilustrações... Rs rs rs...

      Obrigado Luz.

      Um abração.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.