Vã viagem



... afogar seus vazios em goles de vazia ilusão. Na propaganda, os “mantras” da lícita droga, que distorcem a realidade, maquiam os...


Antonio Pereira Apon.


Cerveja.


Infeliz,

quem precisa de álcool,

para se sentir feliz.

Triste alegria:

Beber o tempo,

embriagar a vida,

afogar seus vazios

em goles de vazia ilusão.

Na propaganda,

os “mantras” da lícita droga,

que distorcem a realidade,

maquiam os sonhos,

fantasiam as emoções.

Mas,

para quem sobrevive

a um estúpido acidente,

uma fútil briga...

Como águas de março,

chega a ressaca,

fechando o etílico verão.

Faz-se inverno na alma,

outono no coração.

Amarga na boca,

a amarga fuga de si,

inútil deserção,

vã viagem,

passagem do nada a lugar algum.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Felicidade e as estações da vida

Os pais e a "baleia azul"

Ganhadores. O que faz a diferença