Porquês



... Não ter medo de voar. Tudo aqui é passageiro, um pingo de tempo, uma gota do mar do infinito, um convite bonito para a vida viver. Aqui, ali, acolá...


Antonio Pereira Apon.


Pássaro azul.

São tantos os porquês da vida...

Porquê da dor? Porquê da lida?

São tantas idas e vindas...

Chegadas...

Partidas...

Se no hoje, não vemos resposta,

certamente, o ontem guarda a razão.

O amanhã, desvendará a incógnita,

não há por quê? sem solução.

Seguir em frente é o caminho,

nosso por que de aqui estar.

Cantar que nem passarinho,

não ter medo de voar.

Tudo aqui é passageiro,

um pingo de tempo,

uma gota do mar do infinito,

um convite bonito para a vida viver.

Aqui, ali, acolá...

Somos nômades do existir,

reencarnantes viajores,

alquimistas de sorrisos e dores,

lidadores do evoluir.

Na fartura e no estil.,

entre a Bonança e a tempestade,

no Calor e no frio,

indigência, majestade...

Entre a luz e a sombra,

levantar, cair...

A coragem desassombra,

o melhor há de vir.

É de fé e esperança,

aprendizado e amor.

A vitória que alcança,

quem faz a si seu senhor.

Deus ajuda quem labora,

o destino em pró vai conspirar.

Mas quem deixa o tempo ir embora,

volta para o que perdeu expiar.

Não se preocupe com porquês,

mas com o que lhe cabe fazer.

O "impossível", entregue ao Criador!

Do possível, assuma agora a autoria!



(Postado aqui em 15 de abril de 2010).


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Acróstico junino

Precisa de tinta para escanear?

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Com a palavra, a palavra!

Meio ambiente, ávida vida

Pernas

Ser feliz é simples. Não complique!