A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



quarta-feira, 7 de abril de 2010

Um portal (Com mp3)





... fechar um capítulo dos múltiplos capítulos de nossa evolução, um "virar a página", um seguir em frente... Na verdade, não existe morte... Assim como a cova é o berço da semente, o túmulo é o portal para um novo existir...


Um portal (mp3)Antonio Pereira Apon.


Entardecer na praia.


Um sábio caminhava com um seu discípulo na praia ao entardecer, quando o jovem aprendiz perguntou:


- Mestre, o que é a morte?


- A morte é o intervalo entre duas existências corpóreas


- Como assim?


- A morte é semelhante a noite que separa dois dias. Nosso espírito é como o sol, nosso corpo é como um dia.


- Não estou conseguindo entender...


- O sol que se põe hoje, é o mesmo sol que resurgirá amanhã. Mas o hoje e o amanhã são dias diferentes, ainda que brilhe o mesmo sol. Durante a noite, o "astro rei", cintila do outro lado da terra e não podemos vê-lo daqui, senão através da lua, que funciona como uma médium a refletir seu lume.


- Mas, e a morte?


- O espírito humano, é o sol que fulgura em cada um de nós. No ocaso de uma existência terrena, encerra-se um ciclo e como o dia que se vai, deixamos o corpo e vamos luzir do outro lado da vida, numa noite chamada erraticidade, um período onde perdemos Parcialmente o contato com o mundo físico, até que possamos reencarnar, renascer num corpo novo, como o amanhecer de um novo dia. Assim cumprimos o ciclo natural da vida.


- Então a morte é uma passagem?


- Uma ponte, um simples brincar de esconde-esconde. Hora aqui, hora lá. Um trocar personagens, permutar cenários. O fechar um capítulo dos múltiplos capítulos de nossa evolução, um "virar a página", um seguir em frente... Na verdade, não existe morte, sim o desencarne, o deixar a carne. Assim como a cova é o berço da semente, o túmulo é o portal para um novo existir.


Os dois seguiram em silêncio, enquanto o crepúsculo recolhia os derradeiros raios de luz.






Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Compartilhe:

0 Comentários::

Postar um comentário

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.