Ditados internéticos

 

Quem vê avatar não vê coração.

 

Diga-me com quem twittas que te direi quem és.

 

Em terra sem conexão de banda larga, quem tem discada é rei.

 

De spam em spam, o spammer enche o saco.

 

É twittando que se é retwittado.

 

Um é pouco, dois é chat, três é comunidade.

 

Um blogueiro só não faz blogosfera.

 

Quem semeia vírus, colhe formatação.

 

Quem tecla seus males espanta.

 

Mais vale uma conexão a cabo funcionando do que duas wireless falhando.

 

Há mais coisas entre o mouse e a tela, do que sonha nossa vã conexão.

 

Quem não tem cão, caça com mouse.

 

Conexão lenta. Meu download primeiro.

 

Os fins justificam os Ctrl C e Ctrl V (?).

 

Na internet, nada se cria, tudo se plagia.

 

Retwittar ou não retwittar. Eis a questão.

 

Um twitte vale mais que mil palavras.

 

Twitto. Logo, existo!

 

Um e-mail é bom, dois já é chato, três é spam.

 

Nem só de Google vive o internauta.

 

Quem nunca deletou, que atire o primeiro retwitte.

 

 

(Postado aqui em 13 de agosto de 2010).

 

Gostou desse texto?
Então vai gostar do nosso livro: Um dedo de prosa e poesia. A arte da vida.
Clique abaixo na capa para saber mais e adquirir seu exemplar.

 

São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...
Compre aqui!

 

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon) (Além do nome do autor, cite o link para o site http://www.aponarte.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Leia mais no Apon HP: Mensagens, poesias, artigos, crônicas, humor...

Comentários

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Folclore brasileiro em acróstico

Precisa de tinta para escanear?

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”