A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



terça-feira, 28 de setembro de 2010

Morre quem deixa de viver



 

O título desse texto pode parecer redundante e óbvio. Mas, não falo da morte propriamente dita, do desencarne, do inexorável fenecer do corpo. Trato aqui das mortes vividas no dia-a-dia e que transformam tanta gente em mortos-vivos, zumbis, insepultos penitentes, sentenciados por si mesmos:

 

Quem faz do ganhar dinheiro a sua razão de viver. Confunde ter e ser, acha que pode comprar tudo e todos, acredita que qualquer meio, serve de atalho justificável para seus fins.

 

Quem deixa o tempo esvair-se, contemplando o féretro das horas, desperdiçando oportunidades preciosas de assumir o protagonismo do seu próprio destino..

 

Quem não faz o seu possível ou aquilo que lhe cabe. Compraz-se na lamuria pelo "impossível" e pelo não feito dos outros.

 

Quem carrega uma língua ferina, contundente e ácido açoite, sempre pronto a vociferar os erros alheios. Contudo, incapaz de mover um músculo sequer para ajudar no acerto.

 

Quem abortou seus sonhos e entrega-se ao ruminar desilusões. Espalhando ao seu derredor, o falso e frígido "pragmatismo" de quem perdeu a crença na vida.

 

Quem cristalizou preconceitos, tornando-se cético ou fanático, ingênuo ou malicioso, permissivo ou tirano...

 

Quem se permite corromper pela ilusão fugaz da fama ou do poder. Abrindo mão do discernimento e da simplicidade, mergulhando no delírio autista do orgulho e da vaidade.

 

Quem sabe muito e paradoxalmente, sente e pensa pouco.

 

Quem aguarda inerte as graças divinas ou os favores da sorte, querendo que tragam frutos, a acomodação e a preguiça.

 

Quem reclama privilégios e nega o auxílio. Quer para si supérfluo e subtrai dos demais o elementar.

 

Morre quem deixa de viver.

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon) (Além do nome do autor, cite o link para o site http://www.aponarte.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Leia mais no Apon HP: Mensagens, poesias, artigos, crônicas, humor...

Compartilhe:

0 Comentários::

Postar um comentário

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.