Sonho



... Sonho é como passarinho: Se cativo seu canto é desencanto por lhe furtarem a amplidão...


Antonio Pereira Apon.


Pássaro azul.


Tudo passa,
ainda que o tempo
faça pirraça,
dando a idéia de nunca passar.
Nenhum mal é infinito
quando o sonho
com a infinda chama da esperança
inflama a alma.
O amanhã começa agora,
como o hoje ontem começou;
não importa o tempo que passou,
só o que passa e passará.
Sonho é como passarinho:
se cativo
seu canto é desencanto
por lhe furtarem a amplidão;
sonho livre é melodia
dando à vida a poesia
da alegria de viver.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Felicidade e as estações da vida

Tempo e amor