A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Bom ano novo!



... Paz e luz em sua mente e seu coração: harmonia em seu pensar, equilíbrio em seu agir, maturidade em seu sentir...


Antonio Pereira Apon.


Alvorecer no mar.


Um singular 2011 plural em realizações. Multiplicados êxitos e farta adição de felicidade, saúde, amor, amizade... Esperança, fé e solidariedade abundantes, suficientes para dividir com todos.

Versos ao tempo



... Lutar. Não peito a peito mas ombro a ombro. Converter as trincheiras em...


Antonio Pereira Apon.


Ampulheta.


As palavras dispersas do passado

o tempo reuniu

em versos de comunhão.

Convidando-nos para:

Despir os trapos rotos do pretérito,

vestir de esperança o amanhã,

trocar o dividir pela soma,

somar o multiplicar.

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

terça-feira, 28 de dezembro de 2010

A rosa



... espinhos são os carinhos não feitos, são meros defeitos, o medo imperfeito, a falta do bem. Mas é bela a bela rosa, é poema a flor formosa, tem sorriso de...


Antonio Pereira Apon.



Rosa vermelha.


Bela rosa a vida é,

tem nas pétalas todo o amor

que o orvalho da esperança

vem beijar;

tem no perfume a alegria

de quem não perdeu a poesia,

a doce magia do sonhar.

segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Artifício



Pessoas apressadas e apreçadas. Artificialmente programadas para ter e ter cada vez mais. Ser? ...


Antonio Pereira Apon.


Dinheiro espalhado.


Fugaz poder

faz o homem se perder,

mercar a vida

furtar do sonho o prazer

no artifício do parecer,

o nada ser

da essência perdida,

da alma vendida

na sanha do mero ter.

sábado, 25 de dezembro de 2010

O mar



... Mar de mitos e lendas, pescadores e poetas, romances e aventuras...


Antonio Pereira Apon.


Paisagem de Itapoan, pintura de José Pancetti.


Poema azul
sob o azul do firmamento,
conspirar de inspiração e paz,
prima obra da mais pura arte
onde o sol
doura seus versos
na poesia do se pôr
e a musa lua
espalha a prata nua
no horizonte em seu luar.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

O grande amor



... se foi de alegria ou tristeza, ventura ou desventura; se perdeu-se nas veredas da vida, se enveredou pelos descaminhos do destino...


Antonio Pereira Apon.



Vaso com rosas vermelhas.


Pode-se ter

diversos amores na vida,

mas um

é todo especial.

Faz vibrar a alma

ao simples toque da lembrança;

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Solidão



... um futuro; com sonhos, com flores, sem... Antonio Pereira Apon.



Rosa vermelha.

Solidão

é um vazio que enche o peito,

um sonho desfeito

como uma flor que murchou.

É o que resta

do que não restou,

o que fica

de quem não ficou.

Mas a solidão em seu vazio

também é um convite:

ao reflorescer,

despir o tempo passado,

passar a limpo o presente,

sábado, 18 de dezembro de 2010

Amar



... a secante do destino a realçar o arco do trabalho no qual, a flecha da fé agiganta a circunferência do existir, onde o raio da perseverança...


Antonio Pereira Apon.


Rosa vermelha.


Amar, é dividir as dificuldades do hoje

para somar as alegrias do amanhã,

subtraindo de cada dor

uma lição de vida

para a multiplicação das forças

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Atire a pedra



... é nó ou laço, espinho ou flor; é lágrima, orvalho, pedra, asa ou mero amor! ...


Antonio Pereira Apon.


Figuras voando na paisagem. Composição de Antonio Pereira Apon.


O amor:

é nó ou laço,

espinho ou flor;

é lágrima, orvalho,

pedra, asa

ou mero amor!

É céu, inferno,

fogo ou água,

caminho, descaminho

quem não trilhou?

o poeta, o guerreiro,

a prostituta, o padeiro,

o negro, o branco,

o asno, o professor.

Atire a primeira pedra

aquele que nunca amou.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

De quem é a culpa



... Preocupado com a merreca da aposentadoria? Moradia? Alimentação? Remédios? ... ... ... Quem vota feito gado, termina por pastar...


Antonio Pereira Apon.


Urna eleitoral.


A culpa é sua Senhor Eleitor!

do voto inconsciente,

de quem "não gosta de política".

Você!

que arrota moralidade,

condena o roubo...

Mas vota em ladrões e estelionatários.

Você que diz querer educação boa,

mas vota em gente ruim.

Pede saúde de verdade,

Mas elege qualquer mentira!

Segurança?

Você vota em bandido!!!!

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Sertão mar



... Nefastos coronéis sugam suor e sangue dessa gente que nem sabe assinar o nome, dessa gente que morre de fome para alimentar a gula do...


Antonio Pereira Apon.


Deserto.


A seca seca a terra,

seca a gente,

seca a vida.

Seca a morte que tem sede de viver

para matar a sorte de quem subvive

brincando de sobreviver.

domingo, 12 de dezembro de 2010

O ébrio



... etílica sina de quem subvive em tragada ilusão. Dignidade perdida, alma ferida; corpo doente, queda indolente no vazio do chão...


Antonio Pereira Apon.


Cerveja.


Vestindo mais um gole

despe a razão,

afoga a vida

no copo frio

do frio balcão,

etílica sina

de quem subvive

em tragada ilusão.

Dignidade perdida,

alma ferida;

sábado, 11 de dezembro de 2010

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Bom natal e 2011 motivos para ser feliz!!!



... Que o novo calendário, seja o trampolim de venturas, para um futuro mais ditoso e pleno...


Antonio Pereira Apon.


Linha de chegada.


Quero te desejar um feliz natal, repleto da luz e do amor de Cristo e um ano novo farto de êxitos, saúde e prosperidade.


Que o alvor de renovadas esperanças, impregne os dias vindouros, com o perfumoso aroma dos sonhos realizados e vitórias conquistadas.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Verso



... no presente insensata distância, o futuro? Hermético mistério de uma história que um dia...


Flores no campo.


As flores que plantei

secaram no jardim,

os sonhos que sonhei

o tempo pôs um fim.

A vida desertou

do amor que eu vivi

e vivo o desamor,

de um amor que não sorri.

Do passado

doces lembranças,

domingo, 5 de dezembro de 2010

A flor



... daninhos ódios carecem ser banidos e a rasteira erva da mediocridade precisa ser extirpada. Para que a flor, a mais bela flor possa perfumar os corações...


Antonio Pereira Apon.


Flores entre pedras.


Quem plantou ventos

pensando não colher tempestades,

deturpou a vida

pois viver é semear e colher.

Colher a dor, quem dor plantou,

colher a flor

é para quem semeou o amor,

amor, essa semente pequenina

que nos torna gigantes

diante dos insensatos

semeadores do rancor.

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Entalhes



... dar forma a alegria, aparar arestas das dificuldades, desbastar o medo, polir com amor...


Antonio Pereira Apon.


Modelando no barro.

Tornar a vida uma arte

como o artista;

que da matéria bruta

cria a beleza,

concebe a harmonia.

As dores são para a vida;

o que o cinzel,

o escopro

e a goiva

são para a obra prima.

Viver

é esculpir esperança,

modelar vontades,

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Inspiração



... Se eu fosse poeta te faria poesia, se não tivesses nome certamente te chamaria...


Rosa amarela.


Poema em forma de mulher,

sutil harmonia,

beleza singela;

Seus olhos morenos

São versos serenos,

Serena alquimia

digna de um grande pintor.

Sorriso concreto

de abstrata magia,

voz em melodia,

cabelos em flor.