Esquinas



... Sem nomes os rostos se confundem, na solidão homogênea da heterogênea profusão. Ninguém conhece ninguém...


Antonio Pereira Apon.


Pessoas andando na rua.


As esquinas tortas

dessas ruas certas,

traçam a rota incerta

dessa multidão.

Assistem os passos

dessa turba inquieta

em sua anônima conturbação.

Sem nomes

os rostos se confundem,

na solidão homogênea

da heterogênea profusão.

Ninguém conhece ninguém

além das esquinas tortas

dessas ruas (in)certas.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”