A flor



... daninhos ódios carecem ser banidos e a rasteira erva da mediocridade precisa ser extirpada. Para que a flor, a mais bela flor possa perfumar os corações...


Antonio Pereira Apon.



Flores entre pedras.


Quem plantou ventos

pensando não colher tempestades,

deturpou a vida

pois viver é semear e colher.

Colher a dor, quem dor plantou,

colher a flor

é para quem semeou o amor,

amor, essa semente pequenina

que nos torna gigantes

diante dos insensatos

semeadores do rancor.

A vida é um jardim,

onde daninhos ódios

carecem ser banidos

e a rasteira erva da mediocridade

precisa ser extirpada.

Para que a flor,

a mais bela flor

possa perfumar os corações

irmanando os homens

em um amplexo de paz.



(Postado aqui em 05 de dezembro de 2010).


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Acróstico junino

Precisa de tinta para escanear?

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Meio ambiente, ávida vida

Pernas

Ser feliz é simples. Não complique!

Mangue, bordel, Brasil