Precipício

 

Não há brinquedos

nas mãos dos meninos,

os brinquedos morreram

nas mentes dos meninos.

A inocência sucumbiu à malícia,

a fantasia cedeu ao vício

e o adulto cruza os braços

ante o precipício das ruas.

Sorrisos se apágam,

a picula agora é fuga,

as mãos ostentam armas,

as cabeças cheiram cola,

a vida tropeça,

o destino aborta.

E os adultos?

Os adultos cruzam os braços

ante o precipício das ruas.

 

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon) (Além do nome do autor, cite o link para o site http://www.aponarte.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Leia mais no Apon HP: Mensagens, poesias, artigos, crônicas, humor...

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”