Terra



Planeta azul que abriga o homem. Recanto de tantos encantos. Desencantos de um desumano inventar.


Antonio Pereira Apon.


Mãos com o globo terrestre.


Nave mãe da humanidade.

corcel azul na imensidão.

O mundo não acabou,

Deu chabú no armagedom.

Mesmo com as guerras

por tudo e por nada,

com a poluição

que assola feito praga,

com a ambição

que queima pão e forja armas;

mesmo com a cega má vontade

dos ignorantes,

a politicagem

dos inconsequentes,

a sanha assassina

dos estúpidos,

a insanidade

dos gananciosos...

O planeta azul continua lindo,

como a esperança

que nos permite sonhar,

viver e amar

a nossa nave e mãe

terra.



(Postado aqui em 15 DE JANEIRO DE 2011).


Terra mãe.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. É meu amigo... O homem faz de tudo pra acabar com a Tera, mas ela é mais forte e se rejuvenesce a cada dia!

    Bela postagem. Parabens!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É a louca sanha da desumana humanidade enceguecida pela ganancia irresponsável e suicida. Mas a Terra e toda a vida. Hão de sempre vencer.

      Obrigado. Um abração.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Aprendizado. Reflexões de aniversário

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Tempo sem pressa, sem preço

Meu partido é o Brasil. E o seu?