Não quebre o relógio. Não adianta

 

Um homem se aproximou de um precipício. Quando estava pronto para atirar-se, na intenção de por fim à vida. Uma mão o deteve, segurando em seu ombro:

 

- Não faça isso!

 

- Me deixe. Já não suporto tantos problemas...

 

Um senhor de meia idade com um olhar de singular doçura, calou suas palavras envolvendo-o num abraço que lhe pareceu anestesiar o espírito:

 

- Tenha calma, tudo passa. Muitas vezes as dificuldades são bem menores do que imaginamos e a nossa impaciência é que superlativa as dores.

 

- Eu já não aguento mais...

 

- "Calma, cautela e perseverança". Empreste-me teu relógio!

 

Ainda que estranhando o pedido, o moço prontamente atendeu. O relógio foi colocado sobre uma pedra e outra o espatifou.

 

- Por que o senhor fez isso?

 

- O tempo parou quando eu quebrei o relógio?

 

- Não, claro que não!

 

- Pois é. Assim como o tempo, a vida é imaterial, não finda com o aniquilamento do corpo. Teus problemas seguirão contigo para onde vá tua alma, acrescidos pela culpa de teres destruído o instrumento que Deus te emprestou justamente para o aprendizado da superação das adversidades. Eu bem sei do que te falo meu rapaz. Padeci longos anos preso ao corpo que destruí quando me atirei daqui lá embaixo.

 

Após essas palavras, o espírito desapareceu e o relógio intacto sobre a pedra, seguiu marcando o tempo de uma existência que quase se perdera num desatino suicida.

 

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon) (Além do nome do autor, cite o link para o site http://www.aponarte.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Leia mais no Apon HP: Mensagens, poesias, artigos, crônicas, humor...

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”