Você pode. Uma questão de escolha (ou não)



... Você pode reclamar, lamentar, se maldizer. Ou buscar e construir soluções para seus problemas. Você pode fantasiar, cultivar quimeras, comprazer-se na mitomania. Ou, construir pontes entre seus sonhos e a realidade...


Antonio Pereira Apon.


Barco navegando.


Você pode ser preconceituoso, orgulhoso e intransigente. Ou, aceitar que o universo não gravita em torno do seu umbigo e que existe (a despeito do seu ego), uma multiplicidade infinita de pensares, sentires e fazeres.


Você pode assumir uma postura fanática e contemplativa, aguardando que milagres caiam do céu. Ou, converter-se num instrumento dos reais prodígios da fé verdadeira e ativa.


Você pode se drogar, encher a cara de birita, entupir-se de cigarro, cheirar, tornar-se um peso para sua família e a sociedade. Ou, ter personalidade, encarar tudo e todos sem muletas químicas, sem os artifícios da ilusão.


Você pode ser invejoso e ressentido. Ou, parar de perder tempo patrulhando a vida alheia, e construir seus próprios sucessos e vitórias.


Você pode reclamar, lamentar, se maldizer. Ou buscar e construir soluções para seus problemas.


Você pode fantasiar, cultivar quimeras, comprazer-se na mitomania. Ou, construir pontes entre seus sonhos e a realidade.


Você pode se achar um coitado, injustiçado, perseguido, discriminado... Ou, enfrentar a vida como ela pode e deve ser. Auto-piedade é coisa de gente fraca e covarde.


Você pode queixar-se da sorte, da falta de oportunidades... Ou, convencer-se de que a preguiça, o desânimo e o derrotismo. São péssimas companhias.


Você pode diante de uma grave enfermidade: desistir, se entregar, blasfemar... Ou, lutar pela vida o quanto for possível. E se (apesar de todos os esforços) chegar a hora de ir, ter a calma das almas lúcidas, conscientes de que estamos corpo mas somos espírito, habitantes do infinito, herdeiros da vida eterna.


Você pode produzir coisas medíocres, aviltar-se para ganhar dinheiro fácil. Ou, respeitar o seu talento e possibilidades. Buscando sempre produzir coisas boas e construtivas.


Você pode roubar, matar, violentar... Ou, perceber que outros tantos sofrem as mesmas (ou maiores) dificuldades que as suas, enfrentam as mesmas (ou piores) questões sociais. Mas, conservam reto o caráter, não buscando o desastroso atalho da marginalidade.


Você pode (merecidamente) xingar os políticos, parlamentares, governantes e partidos. Ou, procurar votar melhor.


Você pode tratar a internet como seu lixão comportamental. Ou fazer dela uma janela para além dos horizontes.


Você pode... Ou não...


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Cheguei aqui de nº76,para mover esse universo das letras.Vi que já estão por aqui varios amigos incomuns,isso é bom ,nos dar a certeza que estamos sempre por perto.
    E vc como me achou ?
    fico feliz pelo comentário lá no meu espaço;agora sou eu que tenho que fazer no teu...me aguarde que voltarei outras vezes
    bjs por hj!

    ResponderExcluir
  2. É, realmente, uma questão de escolha. Podemos sempre fazer alteração nos rumos, principalmente no nosso, se o desejarmos.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  3. Você pode! Texto consciente dos valores éticos na vida de todos nós! Excelentes suas colocações! Agradeço sua visita ao meus espaço blog! Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  4. Antonio...Verdade...Tudo depende de nós mesmo...Belo post...
    Tem selinho comemorativo lá no Meu Cantinho...São 100 corações batendo comigo...Obrigada por vc fazer parte do coração do meu Cantinho...Passe lá depois...
    Beijos!
    San....

    ResponderExcluir
  5. Bom domingo Severa!

    A felicidade é reciproca e através das nossas incomuns amizades, chegamos ao seu e outros Blogs. Seja muito bem-vinda ao nosso círculo virtuoso de amigos e palavras.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  6. Pois é Marilene!

    Escolher ou não escolher. Eis a questão.

    Um abração e bom domingo.

    ResponderExcluir
  7. Olá Patrícia!

    Gosto muito quando um texto repercute no íntimo de quem lê. Nossas mudanças são um processo, uma conquista que fazemos pouco a pouco. O tempo e um mergulho em nós mesmos são os caminhos para aprimorarmos nossas escolhas, assumindo o protagonismo e a autoria do nosso desiderato.

    Um abração e um bom restinho de final de semana.

    ResponderExcluir
  8. Obrigado Célia!

    O ser humano precisa redescobrir os reais valores que devem nortear a vida, buscando sempre fazer a opção pelo melhor caminho a trilhar.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  9. É isso Luz!

    Não há mistério nem mágica. Tudo é uma questão de decisão.

    Clips? Não ouvi.

    Um abração. Bom domingo e luminosa semana.

    ResponderExcluir
  10. Oi San!

    De fato, não devemos terceirizar nossas escolhas. Nosso destino depende de nossas opções. Fugir disso é agendar dissabores.

    Obrigado a você por vim somar em nosso espaço.

    Um abração e uma semana nota mil.

    ResponderExcluir
  11. Amigo, grata pelo seu comentário preciso e altamente sensato em minha página.
    Sua postagem também é muito reflexiva.
    A VIDA é dada como forma de oportunidade e crescimento, EVOLUÇÃO, mas a escolha é de cada um como bem está em cada linha do texto.
    As dicotomias são presentes a todo momento. Os opostos sempre aparecerão diante de nossos olhos - este ou aquele; sim e não; branco e preto; bom e mau... e assim sucessivamente, porém a escolha está em nossas mãos e somos autônomos para isto. Não devemos responsabilizar ninguém pelos resultados daquilo que escolhemos para nós.
    Abraços

    ResponderExcluir
  12. É isso Malú!

    Nossas opções redundam em ônus ou bônus. Temos que acatar a ambos e buscar sempre melhorar nossas escolhas.

    Um abração.

    ResponderExcluir
  13. As nossas escolhas são quem determina os nossos caminhos.Excelentes as tuas posições neste escrito.
    Abração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Folclore brasileiro em acróstico

Precisa de tinta para escanear?

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”