A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Controle do tempo

 

Se eu pudesse controlar o tempo:

Não deixaria infância fugir tão depressa,

Nem A adolescência escapar,

perseguindo a insensata ilusão de "crescer".

Perpetuaria as fantasias.

Adivinharia as dores,

e antes mesmo que existissem.

Converteria as lágrimas em sorrisos.

Viveria em eterno estado de paixão,

a poesia de uma imorredoura primavera.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Temperamento forte? Só Freud!



... lamenta a devastação. Vai calando afetos com seus desatinos, sufocando com sua tirania temperamental. Distorce, oprime, deprime...
Antonio Pereira Apon.



Lágrimas.

Tem gente boa,

mas de temperamento ruim.

Gente que ama!

Mas tem um gênio de desamar!

Implica, complica...

E mesmo quando incerta.

Quer sempre estar certa!

Complexa em seus complexos,

faz de tudo uma disputa,

uma necessidade de afirmação.

A realidade pouco importa!

Não suporta o que fira sua interpretação!

De tolerância pouco elástica,

faz tsunami em piscina plástica,

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Ano novo. O que queremos colher?



... Um mundo melhor, depende de pessoas verdadeiramente melhores. O bem não nasce do improviso, nem de intenções inertes, vontades ociosas, desejos omissos... o bem não é uma dádiva, é uma construção...


Antonio Pereira Apon.


Rosas.


Tudo passa, todo “fim” convida a um recomeço:


O fenecer da noite prenuncia a luminosidade de um novo dia,


o passado abriu as portas do presente, que escancara as portas do futuro:


Ao ano que vai, sucede um novíssimo ano, repleto de possibilidades...


Uma folha inescrita, aberta ao bem ou ao mal,


uma página inédita, para reescrevermos erros ou editarmos mudanças.


Não existe mágica, nem intervenção divina. Deus nos entregou o destino da terra.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Dia de folga

 

Hoje o tempo não tem pressa!

E o relógio que estressa?

Põe pra desestressar.

Hoje a rotina "botou atestado",

o cotidiano entrou em recesso,

 "ponto facultativo" para as preocupações...

 

Vem!

Acorda os sonhos!

Hoje a vida quer sonhar!

Já é dia!

Não intente mais tardar!

A vida quer poesia,

Quer magia pra rimar!

Tem sol lá no horizonte,

tem flores ali defronte,

tem pássaros a cantar!

Hoje é dia de primavera na alma,

de escutar uma canção calma,

e na paisagem descansar.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Viva. Pule fora desse círculo



... Não é fácil! Mas é possível! Sonhar é acordar da inebriante pressa que oprime a vida, perceber vivências que a realidade ainda não se permitiu...


Antonio Pereira Apon.


Tempo.

Condicionamo-nos às neuroses da vida moderna(?), nos habituamos a enxergar tempestade em garoa, tentar subverter o tempo. "A correria do dia a dia, as responsabilidades, os problemas e a rotina escravizam nosso cérebro, ele fica lá, andando em círculos, feito cachorro atrás do rabo". Assim, vamos sobrevivendo, esquecidos de que viver de verdade, é pular fora desse círculo vicioso, que nos põe à serviço das coisas, quando o contrário deveria ser a norma. Com um pé preso no passado e tentando por o outro no futuro, tropeçamos no presente, acidentando a existência com preocupações inúteis e inutilizantes. Depois. Fartos dos hiatos de tantas paranoias e falsas necessidades, deitamos nossas angústias no divã do analista, no artifício do ansiolítico ou outra droga qualquer.


Cativos da "normalidade" de tantas anomalias comportamentais, nos refugiamos na ilusão das justificativas injustificáveis e vãs. Tornamo-nos estressados e deprimidos em meio a toda essa coisificação que nos faz menos humanos e mais autômatos, programados para servir a um sistema que não serve a ninguém.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Informática do ser

 

No princípio éramos um simples "sistema operacional". Fomos "instalados" numa "máquina" compatível com nossas necessidades para interagir com outras "máquinas".

 

Mais não somos um "software qualquer", somos o top de linha da criação, nosso "código aberto" permite novas programações, e nosso módulo de inteligência nos permite alterar nosso próprio registro. Conectados em rede com os nossos pais, logo recebemos os aplicativos de linguagem e comportamento. Não tarda a aumentar a nossa rede familiar; se conectam outros parentes, amigos, escola... Uma série de "programinhas" legais é instalada, fazemos nossos primeiros "downloads" e "uploads", aí surgem os primeiros "vírus", reclamando dos pais, como administradores da rede, a instalação de um "antivírus" adequado. Mas com o crescimento da rede e o aumento no tráfego de informações, logo será preciso um bom firewall e um antispyware, para dar conta das pragas que surgirão sobretudo quando o plug-in da adolescência for instalado. Nesse momento, todos os "bugs" dos aplicativos aparecerão, reclamando a ação de utilitários de diagnóstico e reparo, bem como um update geral.

Feito isso, a maturidade se auto instalará.

 

Durante esse período, a "interface gráfica" foi se modificando, nossas habilidades foram aprimoradas e ganhamos condições de gerir uma sub-rede, ou mesmo uma rede própria. Por nossa vontade ou contra ela, algumas máquinas vão se desconectando de forma temporária ou permanente, outras novas se conectam, reconectam-se algumas antigas...