Nosso “País das maravilhas”



... sobreviver na apercepção do sentido real da vida. Tornar-se desalmada máquina, programada para a irrealidade dos dias que passam na pressa vazia dos teres, devorando possibilidades...

Antonio Pereira Apon.


Pessoas andando.

Refúgio que nos guarda, da rotina, da ditadura do cotidiano... Tiranos que nos encarceram na "realidade". O onírico seduz, o virtual encanta, o inatingível fascina, o inalcançável atiça... O coração, a alma humana, envereda em suas paisagens mentais para se encontrar em seus desencontros, num lúdico faz de conta, onde tudo é literalmente ideal. A fantasia, a imaginação vivificam nosso Quixote e suas aventuras fantásticas que emprestam poesia à vida.


Viver sem sonhos, sem ideações, é já se ter morrido sem nem perceber. É sobreviver na apercepção do sentido real da vida. Tornar-se desalmada máquina, programada para a irrealidade dos dias que passam na pressa vazia dos teres, devorando possibilidades, engendrando impossibilidades, sufocando o ser.


Somos a nossa capacidade de sonhar, imaginar... Sem sonhos, apenas estamos, passamos pela vida, vagamos soprados pelo tempo. Iludidos, enganados, abismados, desumanizados.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Olá António,

    É isso mesmo.
    O sonho comanda a vida, sem dúvida nenhuma.
    Mas para que serve uma pessoa, que não sonha, não idealiza, não vive irrealidades?

    Diz um poeta Português, que: "SEMPRE, QUE O HOMEM SONHA, O MUNDO PULA E AVANÇA COMO BOLA COLORIDA, ENTRE AS MAÕS DE UMA CRIANÇA".

    Partilho o sonho e até o impossível.

    Abraços de luz.

    ResponderExcluir
  2. Sem nossos sonhos, Antonio... somos robotizados cumprindo deveres tão somente! Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite amigo!
    Texto sábio e reflexivo.
    Sem sonhos perdemos a magia de viver.
    Abraços! boa noite e um domingo radiante pra ti.

    ResponderExcluir
  4. Sem sonhos, a vida perde o sentido.
    Sentimos um vazio,perdemos o rumo, nos sentimos perdidos.
    Bom final de semana!
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Oi Antonio, Texto incrível, como sempre.

    D. Quixote é um personagem sensacional, pois valida para nós a possibilidade do sonho e da fantasia como uma forma de ser louco sem enlouquecer.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  6. Oi Antônio,

    lindo texto, me fez lembrar de uma pessoa querida que já se foi. Enquanto ela ainda tinha sonhos esperança continuou conosco. O dia que perdeu a vontade de viver o corpo não suportou mais...

    Linda reflexão.

    Abraços

    Leila

    ResponderExcluir
  7. Os sonhos, meu caro poeta,não deixam as nossas esperanças morrerem.
    Abração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Acróstico junino

Precisa de tinta para escanear?

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Meio ambiente, ávida vida

Pernas

Ser feliz é simples. Não complique!

Mangue, bordel, Brasil