Transbordante saudade

 

Tenho saudade:

Dos tempos idos,

dos tempos findos.

Das fotos não tiradas,

dos retratos esmaecidos na memória.

Das palavras e dos silêncios,

Dos sorrisos,

até das lagrimas.

Saudade.

Das paisagens,

Da cenografia dos momentos,

da "trilha sonora",

da coreografia dos instantes,

da poesia daquela "temporada",

da infinitude de um "capítulo" inacabado...

Hoje,

ébrio de lembranças,

vago errante,

transbordante de saudade.

 

Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon) (Além do nome do autor, cite o link para o site http://www.aponarte.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Leia mais no Apon HP: Mensagens, poesias, artigos, crônicas, humor...

Comentários

  1. Oi amigo,

    que lindo seu poema! eu tambem tenho uma saudade que não sei explicar...

    Grande abraço

    Leila

    ResponderExcluir
  2. Olá estimado António,

    Com o avançar dos anos, ficamos saudosistas, do que fizemos e do que não fizemos, por vezes.
    Aos vinte anos, queremos chegar aos trinta, e o tempo custa a passar, mas, depois, o tempo parece que voa.
    É assim a lei da Natureza.

    Bom Domingo e boa semana.
    Abraço da Luz.

    ResponderExcluir
  3. Lindo poema, versos que nos fazem lembrar de coisas do passado que parecem não mais voltar, mas acredito ainda que o "presente" ainda é o melhor presente em nossas vidas,abraços!
    Ivone

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”