A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Quanto custa? Qual o preço? Eu pago!




Quem não consegue “saborear”, sentir, curtir, entender, encontrar grandeza nas pequenas coisas. Na verdade, carrega em si, a pequenez da própria incompletude. O sem sentido do ter, sufocando e consumindo o ser. Gente que tenta encher seu vazio existencial com o vazio das coisas. O artificio do consumismo, o apreçar tudo e todos.


Mas, quanto custa um crepúsculo e uma alvorada? Uma noite enluarada? A chuva, o orvalho e o mar? Qual o preço de um sorriso verdadeiro, de uma amizade sincera, do amor? Quanto custa sonhar? Um cantar livre de passarinho? Um arco-íris no céu? ...


Existem pessoas com os bolsos cheios e o existir deserto de felicidade, esperança; ricas de grana e pobres de realizações; guardam cofres abarrotados de riquezas, com a alma paupérrima de virtudes; aparentemente poderosas, com o coração mendicante de afeto; embriagadas de egoísmo, egocentrismo... Precisadas de atenção; entorpecidas de arrogância e prepotência, trôpegas de desilusões; repletas de cursos e outras tantas titulações, mas ocas de sabedoria...


Simplicidade não tem preço!


Licença Creative Commons Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon) (Além do nome do autor, cite o link para o site http://www.aponarte.com.br). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Leia mais no Apon HP: Mensagens, poesias, artigos, crônicas, humor...

Compartilhe:

5 comentários:

  1. Há pessoas, Antônio, que só cuidam das aparências, da maquiagem... e quando desnudas disso tudo são ocas realmente!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Célia,

      É a ilusão do ter, sobrepujando o ser. Triste gente.

      Um abração e bom final de semana.

      Excluir
  2. Olá querido Antônio,

    Pensava já que o tinha abandonado, né? Nem pensar. Eu amava conhecê-lo e gostava que me visse. Rezo tanto por um milagre pra você.
    Férias, dois blogs, mails, nem lhe conto.

    Seus textos, como sempre, encerram tantas verdades. Coisas simples, mas que nos preenchem, inteiramente.
    A prepotência e a arrogância são defeitos terríveis. Pensam que têm o rei na barriga.

    TODOS NASCEMOS DO MESMO JEITO E NA MORTE, TODOS SOMOS IGUAIS.

    Lhe desejo um resto de bom Domingo.
    A gente se vai falando.
    Se recebe atualizações, já sabe que está no AFETOS, o resto do texto, aquele que o deixou "salivando".

    Beijos da Luz.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luz.

      O anseio é reciproco. Aguardo um milagre “convencional” ou um “prodígio” da ciência e tecnologia. Provavelmente, até o final do ano, comecem aqui as pesquisas com células tronco para tratamento da retina. Deus é quem sabe.

      A continuação do seu texto, segue num belo ode à estética feminina.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir
  3. Oi AntÔnio,
    amei o post!Engraçado que tudo o que tem um preço nunca vem de dentro do ser,vem sempre lá de fora,de mãos com outras histórias e que nem sequer sonham em saber o que se passa da gente,vem de pessoas que não conhecem a beleza de nossos sorrisos e o que nos faz rir verdadeiramente,vem de um mundo que trata quem é "um",como apenas "mais um".
    abraço,=)

    ResponderExcluir

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.