O destino, a vida. Quem escreve? Quem traça?



... conspira positivamente para a realização, o sucesso e a vitória daqueles que trabalham e transpiram na concretização de ideias, ideais e inspirações...


Antonio Pereira Apon.


Mão escrevendo.


É o destino que traça a vida que vivemos; a vida que vivemos é que escreve o destino. Ou é tudo coautoria na “dramaturgia” do existir?


Há quem creia que se a vida precisar do inesperado, o destino vai arrumar um “acaso”. Mas, se um “acaso” for insuficiente, a vida arranjará outro, para inventar uma “coincidência”. Assim, quem se permite joguete de “acasos” e “coincidências”. Logo perde no destino a esperança e na vida a fé.


Autômatos? Marionetes? Títeres do determinismo?! O universo conspira positivamente para a realização, o sucesso e a vitória daqueles que trabalham e transpiram na concretização de ideias, ideais e inspirações. Fazendo jus a alguns bônus dos “acasos” e “coincidências”.


Para os acomodados, preguiçosos, parasitários e contemplativos. “Acasos” e “coincidências”“, podem aqui ou ali, cevar suas ilusões, mas resultam no ônus da estagnação, derrota e inutilidade.


O destino não está definitivamente escrito, a vida não nasce irremediavelmente traçada. O existir é uma obra aberta, que escrevemos e reescrevemos dia a dia. Cada um de nós é a resultante dessa escrita, dessa interação. Ou não.


Lápis escrevendo.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Realmente, Antonio, muitos são os que não querem sair de sua zona de conforto... vegetam simbioticamente!
    [ ] Célia.

    ResponderExcluir
  2. Antonio, texto reflexivo, destino somos nós que fazemos, a cada dia, pois podemos mudar tudo até da noite para o dia!
    Há sim ajuda pela força de atração dos bons pensamentos, isso sim, acredito!
    Abraços meu amigo, bons fluidos em sua vida!
    Ivone

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Folclore brasileiro em acróstico

Precisa de tinta para escanear?

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”