A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



terça-feira, 18 de setembro de 2012

Tempo, gaiola e liberdade





Um poema que versa sobre a relação humana com o tempo, a liberdade e a vida.


Relógios dissolvendo.


Ser humano, triste passarinho.

Na gaiola do seu tempo,

contempla a liberdade passar.

Passa nas horas vazias,

passa os sonho e a fantasia.

Passa na pressa do dia,

passa a inspiração e a poesia.

Passa a infância perdida,

a lembrança esquecida,

imaginação que desaprendeu a voar.

Passa na agenda corrida,

no sentir sem acolhida.

Passa num fugaz passar.

Triste homem passarinho,

Na gaiola de sua liberdade,

Assiste o tempo deixar a vida passar.


Gaiola vazia.


Gostou desse texto?
Então vai gostar do nosso livro: Um dedo de prosa e poesia. A arte da vida.
Clique abaixo na capa para saber mais e adquirir seu exemplar.


São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...
Compre aqui!



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.

Compartilhe:

10 comentários:

  1. Meu amigo poeta, pois é bem do tempo moderno, quem sabe ao certo o que é liberdade?
    Lindo poema de versos comparativos,pois queríamos ser como passarinhos,mas como nem esses voam livres que dirá nós, seres humanos presos de todos os jeitos?
    "...Triste homem passarinho..."
    Abraços meu amigo poeta querido!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O pior, é que nós mesmos inventamos e reinventamos nossas próprias gaiolas. Insensata humanidade.

      Um abração.

      Excluir
  2. Lindo seu poema amigo! O tempo urge, precisamos aprender a nos libertar das amarras que nós mesmos nos impusemos e que nos fez perder de nós mesmos, pela correria do tempo...
    Beijos,
    Valéria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A chave de tudo está em cada um de nós. Temos preferido nos trancafiar nas ilusões. Obrigado Valéria.

      Um abração.

      Excluir
  3. Olá meu querido amigo!

    Muito emocionante seu poema, enquanto ia lendo fui refletindo sobre minha própria vida e pude ver como tens razão... Difícil alguém que seja realmente livre nos dias de hoje e seu texto é um retrato desta realidade.
    Além das amarras espontâneas da vida que às vezes nos aprisionam, acabamos criando mais e mais gaiolas para nós mesmos. Levamos pelo ritmo frenético que nós mesmos nos impomos, acabamos perdendo a noção do que nos cerca.
    Ótima reflexão para todos nós, e como você disse no comentário, a chave para mudanças está em nós :)

    Grande abraço e que sua semana seja ótima!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por mais paradoxal que pareça, fazemos da liberdade um cativeiro. Vivemos criando gaiolas de ilusão, incoerência, desvalor, ambição, vazio, vicio... ...

      Obrigado Samanta.

      Um abração. Boa semana para ti também.

      Excluir
  4. Antonio,simplesmente lindo seu poema!Quantas vezes nos engaiolamos em coisas sem nenhuma importancia!bjs e meu carinho,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, vivemos nos aprisionando em fantasias, miragens, fugazes ilusões.

      Obrigado Anne.

      Um abração.

      Excluir
  5. Que lindo Antonio


    Também acho que o homem é passarinho que desaprendeu a voar.

    Beijos
    Ani

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "desaprendeu a voar", criou gaiolas e se trancou dentro.

      Obrigado Ani. Um abração.

      Excluir

Obrigado por sua visita. Aqui você pode deixar seu comentário. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.