Eu teclo, tu teclas...



Blogar, teclar, tuitar, curtir, compartilhar... Interação, socialização? Ou simples e complexo “jogo de cena” virtual? Amigos, seguidores, leitores... Ou meros personagens?


Digitação.


Carinhas, fotos, avatares,

risos que não sorriem.

Profunda superficialidade,

que muito escreve e pouco diz.

A cada clique,

um “novo amigo de infância”.

Na proximidade da distancia;

ainda moderno e já antigo,

o verbo teclar em tantos artifícios,

naturaliza o artificial.

Por trás da tela um personagem,

um simulacro,

uma miragem...

Uma face a disfarçar!

Um teatro, um improviso...

Rede, enredo a enredar.

...ele tecla, nós teclamos...


Gostou desse texto?
Então vai gostar do nosso livro: Um dedo de prosa e poesia. A arte da vida.
Clique abaixo na capa para saber mais e adquirir seu exemplar.


São 125 páginas com 89 títulos em verso e prosa de Literatura Nacional, num livro prefaciado pelo professor, escritor, poeta e trovador Orlando Carvalho. Crônicas, mensagens, poesias... amor, humor, reflexão, arte, cotidiano, atualidades, auto-ajuda, espiritualidade...
Compre aqui!



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.

Comentários

  1. Bom dia amigo poeta!
    Bem escrito o seu poema que diz tudo deste mundo virtual!
    O mundo que muitas vezes deixa algo a ser interpretado, pois nada como o olhar no olho né mesmo?
    Jamais troco esse prazer, se posso escolher escolho o frente a frente, o olhar e o dizer pessoalmente!
    Mas a vida é assim, muda a cada instante, temos de nos adaptar, sendo assim muitas vezes deixamos o olhar no olhar e vamos teclar, vamos indo meu amigo, teclando aqui e ali, quem sabe um dia poderemos todos nos encontrar, reencontrar, abraçar, enfim...?!
    Grande abraço virtual para você, mas cheio de carinho e desejo de bons dias, isso mesmo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realidade e fantasia, pessoas e personagens... Eis a nossa internet.

      Um abração.

      Excluir
  2. Admiravel, Antonio.
    Nesse tecer de vida de tecer teclas,tudo desliza, e, caminha na direção da imaginação.
    Abraços

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Folclore brasileiro em acróstico

Precisa de tinta para escanear?

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”