Ela, despretensiosa



Despretensiosa. ...Como calendário novo, a pedra do escultor. Como o saber do povo. do campo a bela flor...


Antonio Pereira Apon.


Musas dançam com Apolo, pintura de Baldassare Peruzzi.


Ela é assim,

sem pretensão.

Encanta, enlaça,

envolve, abraça...

Simples, apenas existe,

Insiste persiste...


Como frescor de orvalho,

como cantar de passarinho.

Descanso e trabalho,

gosto bom de antigo vinho.


Como onda a quebrar na praia,

chuva a dessedentar o chão.

Como luar que se espraia,

papel de enrolar pão.


Como brisa da matina,

narrativa de cordel.

O insólito e a rotina,,

calma e babel.


Como calendário novo,

a pedra do escultor.

Como o saber do povo.

do campo a bela flor.


Despretensiosa a poesia.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Olá, Antonio! A poesia é minha companheira sempre! Despretensiosamente ela me (nos) diz muito! Basta a sensibilidade!
    Abraço, Célia.

    ResponderExcluir
  2. Oi Antonio!

    Que bela flor de poesia!
    Delicada tal qual pétala!
    Desejo a você um ótimo fim de semana!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  3. Antonio, que prazer começar o ano lendo aqui tão bela poesia!
    Com grande inspiração nos brinda e isso é mesmo um bom começo.
    Amo poesias que nos faz ir além do "todo dia", as suas são mesmo assim!
    Grande abraço amigo poeta querido!

    ResponderExcluir
  4. Un poema marabilloso, moi sentido.
    A poesía, que tantas cousas fermosas nos brinda, a sensibilidade, ese saber do pobo que dis, como frescor de orballo que nos envolve e atrapa.
    precioso.
    un abrazo e espero que este ano que está empezando sexa de felicidade.

    ResponderExcluir
  5. Oi, querido amigo Antônio!

    Como vai?

    Que bom, ter você comentando em meus blogs!
    Gosto da sua racionalidade, interpretação e carinho que põe nas palavras, que não são estudadas, mas genuínas, SUAS.

    Ai, ai! Tem uma rosa muito semelhante às que eu tenho em ambos os meus blogs. Você tem muito bom gosto. Estou brincando, claro, e, infelizmente, não copiou a rosa dos meus blogs.

    DEUS, UM DIA, VAI PERMITIR, QUE VOCÊ VEJA AMAZÓNIAS DE ROSAS MULTICOLORES. ELE É PAI.

    Quanto à sua bela, suave e melódica poesia, pois é POESIA e está quase tudo dito.
    Gostei das metáforas, que estabelece no poema.

    Você é um ser muito equilibrado, muito sensível, UM AMIGÃO, resumindo.

    Quanto a novas postagens no "Afetos", só daqui a 10/12 dias. Há que dar tempo a que os seguidores/as degustem o repasto, que fiz pra eles/as.


    Bom fim de semana.
    Um grande e amistoso abraço.

    ResponderExcluir
  6. A vida sem poesia perde toda a graça e encanto. Belo ode à esse dom de enxergar a beleza da vida! Um abraço!

    ResponderExcluir
  7. OLá caro amigo

    Ela deve ser muto feliz!

    Lindo e despretensioso como tudo que é naturalmente belo!

    Grande abraço

    Leila

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Acróstico junino

Precisa de tinta para escanear?

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Meio ambiente, ávida vida

Pernas

Ser feliz é simples. Não complique!

Mangue, bordel, Brasil