Condomínio Brasil e a Fifó



Qualquer semelhança pode não ser mera coincidência. A literatura às vezes pode imitar a vida.


Triste.


Luizão é desses caras carismáticos, sujeito bom de papo que leva qualquer um na lábia. Do tipo que consegue vender pente pra careca, ar condicionado pra iglu, convencer que existe iceberg no meio do deserto do Saara... Assim, quando sindico do condomínio Brasil, persuadiu a todos das “vantagens” de assinar um convenio com a empresa Fifó, para que essa pudesse usar áreas do condomínio na promoção de seus eventos. Os gastos seriam poucos, os lucros muitos e os legados inúmeros. Como pelo regimento, o mesmo sindico não podia ser reeleito três vezes consecutivas, o habilidoso Luizão conseguiu eleger sua amiga Dilmélia como sucessora. Após seus dois mandatos.


A Pupila seguiu os passos do “mestre”. A Fifó exigiu isso, cobrou aquilo, mandou e desmandou. Os condôminos não podiam circular nessa ou naquela área, tal coisa era proibida, aqueloutra só com autorização da soberana e toda poderosa fifó... Puxadinhos alhures, gambiarras acolá, improvisos, armengues... No final das contas: Gastou-se o triplo do imaginado, “ganhou-se” menos da metade do esperado e os legados? Que legados?! Só negados restaram. A Fifó cacifou-se e se foi e como diria o Luizão: “o povo do condomínio se!..” Deixa pra lá!


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.

Comentários

  1. Tudo com o poder manipulatório da palavra que ilude os desavisados. Ótimo texto...um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parece que o povo acordou, a ilusão começa a se desfazer. A mordaça populista, o cabresto do bolsa família já não cala a todos. As máscaras de tantas mentiras, bravatas e factoides, começam a cair mostrando a face real da politicagem irresponsável e inconsequente que exuma o nefasto fantasma da inflação, ameaçando o pão e circo, despindo a fantasia, sob a qual se intenta esconder o descalabro da saúde, educação e segurança. A voz da cidadania ganha as ruas, clamando, exigindo um Brasil melhor, com respeito e dignidade, sem corrupção e faz de conta. Chega da ração de miragens, dessa farsa politiqueira, do subestimar nossa inteligência, da escorcha tributária, do desapreço pela verdade, arrogância partidária, desconsideração com a sociedade, falta de projetos, carência de seriedade...

      Reforma política (séria), fiscal, tributária, penal...

      Tardou. Mas a população começa a bradar: Basta! Não à enganação!

      Excluir
  2. Texto bem elaborado, sabe que me fez lembrar de um certo País, lindo por sinal, rico imensamente, mas que seu povo foi sim ludibriado!
    Agora meu amigo, é como descobrir uma traição, esse povo vai até às últimas consequências, podes crer!
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. País que acordou da fantasia e despiu as ilusões. Povo cansado de mentiras e tanto faz de conta.

      Obrigado, um abração.

      Excluir
  3. Oi Antonio,

    ..."Qualquer semelhança pode não ser mera coincidência!"
    Aplausos para você! Aplausos sua bela forma de escrever! Aplausos para sua inteligência!
    Aplausos, muitos aplausos, para os brasileiros que estão despertando, clamando por dignidade! Clamando por alguém que realmente nos represente!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aplausos para a voz pacífica, mas determinada e consciente das ruas. Vaias e reprovação para os vândalos e violentos, nas ruas e no poder.

      Obrigado. Um abração.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”