Vira pó



Do homem material e seus anseios materializados, resta o pó que o tempo consome, desertifica...


Antonio Pereira Apon.


Deserto.


Tudo:

A ambição desmedida,

a usura incontida.

O carro bacana,

a ostentação tirana.

O preconceito explícito,

o racismo implícito.

A pressa urgente,

a corrida demente.

O poder que cega,

o ter que apega.

A posse ilusória,

a certeza provisória.

A arrogância do título,

o orgulho ridículo.

A pretensa nobreza,

a aversão à pobreza.

A vaidade acadêmica,

a superioridade polêmica.

O fanatismo do rito,

a devoção ao mito.

A presunção melindrosa,

a ignorância orgulhosa.

A politicagem que entorpece,

a corrupção que envilece.

O cargo invejado,

o mérito desprezado.

A sanha do querer,

o não aceitar perder.

A prepotência fútil,

o egoísmo inútil.

O acúmulo de ouro,

o estofado de couro.

A mansão mais cara,

a joia mais rara...

Toda materialidade, um dia vira pó.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Quanta coerência, Antonio! Belos versos! Obrigada pela cumplicidade ao meu pensar... Não levamos nada! E, os homens brigam, roubam pelo poder, pelo ter... Bem, creio não serem "Homens"... com h maiúsculo da humanidade.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Toda materialidade fica e o ser torna ao infinito. O ter é mera ilusão.

      Um abração.

      Excluir
  2. Que forte e verdadeiro seu poema, Apon! Os valores de hoje estão sendo construídos sobre a base da ostentação, sendo que o que se leva dessa vida são as atitudes, não os bens. Um abraço!

    ResponderExcluir
  3. Olá, António!

    Tudo bem?

    Como sempre, adoro ler seus posts, porque refletem a mais pura e cruel realidade.

    Tudo o que material, corpóreo, em pó se tornará, sem dúvida, um dia.

    Em Portugal está virando moda, que pessoa ainda viva, deseje ser cremada, após seu falecimento. Crematórios estão se triplicando pelo país todo. Nossa! Não consigo entender nem "aceitar".

    Boa semana.

    Aquele abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O corpo e toda a materialidade que nos cerca, são ferramentas para uso do espírito encarnado. Com o desencarne, tudo isso fica. Vejo com naturalidade a cremação.

      Um abração.

      Excluir
  4. Oi Antonio,
    Pois é, como diz o comercial "desde quando a aparencia vale mais que a essencia"!
    Perdem-se os valores!
    Poesia linda demais! Verdadeira!
    Tenha uma ótima semana!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A ilusão do ter pode enganar por muito tempo. Mas um dia, o ser faz acordar para a realidade.

      Um abração

      Excluir
  5. Meu amigo

    Um poema muito verdadeiro, quando chegar a hora final todos viramos a mesma matéria e deste lado fica tudo o que fomos.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderExcluir
  6. Oi Antonio,
    Vai daqui um abraço para você, desejando muita saúde
    sucesso e felicidades!
    Feriadão a vista!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Oi Antonio

    é esta forma tão nova de dizer o tão óbvio que caracteriza os grandes poetas e cria impactos capazes de nos fazer enxergar o que está diante dos olhos, mas a alma ainda não havia enxergado.

    Brilhante!

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A arte reinterpreta a vida, revelando nuances invisíveis ao olhar comum. O poeta e todo artista é simples médium para a manifestação dessa entidade cósmica, conhecida como inspiração. Inspiração que ensina ao homem a ver além do obvio.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Aprendizado. Reflexões de aniversário

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Tempo sem pressa, sem preço

Meu partido é o Brasil. E o seu?