Bom dia, boa tarde, boa noite!



Não deve ser mera formalidade, autômato salamaleque social... Precisa ser um afago sincero; o saudar o outro, reverenciar a vida e seus ciclos, as relações, as interações que fazem o “eu” nosso de cada dia.

Antonio Pereira Apon.


Pombo ao alvorecer.

Bom dia!

Prefácio de um novo hoje.

Aconchegando a quem chega...

O gari e o passante,

o padeiro, o estudante;

o motorista, o cobrador,

o neto, o avô...

Bom dia, dia!

Bom dia vida!

Bom dia alvor! ...


Boa tarde!

Momento de apreço sem preço,

instante furtado à apreçada pressa;

para saudar ao outro,

ao turno vespertino,

o dia não mais menino,

tempo que já pesa a cansar.

Epílogo das horas,

crepúsculo da lida...


Boa noite!

Carinho de até logo...

Despedindo-se dessas 24 horas,

prenunciando outras tantas a chegar.

Achegados nos braços de Morfeu;

oníricas paisagens,

mágicas paragens,

gosto de até amanhã!


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Precisa de tinta para escanear?

Felicidade e as estações da vida

Os pais e a "baleia azul"

Ganhadores. O que faz a diferença