A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

quarta-feira, 16 de julho de 2014

Mesmos nomes, diferentes personagens





O tempo passa, nomes se repetem... Mas cada qual é cada qual e cada um escreve uma história. A sua. Figura na história de uma comunidade, de uma torcida, de um povo, uma época...


Relógios derretidos de Salvador Dalí.


As coisas eram bem mais compreensíveis e menos inexplicáveis, quando:

Dante era o Alighieri. Autor da “Divina comédia”.

David era o jovem herói hebreu que derrotou o gigante filisteu.

Daniel era um profeta bíblico.

Marcelo era um apresentador e jornalista.

Maxwell era Smart. O “Agente 86”, namorado da 99.

Fernandinho era o marido da Ofélia naquele humorístico.

Luiz Gustavo nos fazia rir com seu hilário “Mário fofoca”.

Oscar era Schmidt. O “mão santa” que arrasava no basquete.

Willian era levantador no vôlei.

Bernard fazia bonito nas quadras, com seu saque “Jornada nas estrelas”.

Fred era Flintstone. Marido da wilma, pai da Pedrita e amigo do Barney Rubble.

Hulk era um “herói” esquisito, que aparecia quando o Dr. David Banner se irritava após ter sido acidentalmente exposto à radiação Gama.

Jô era o Soares. Grande humorista, escritor e apresentador de talk show.

Felipão podia ser o Dom Felipe III O Grande. Rei da Terceira Dinastia, vigésimo monarca de Portugal.

Parreira era o Nome de algumas plantas trepadeiras, em especial a videira.

Apagão era problema elétrico e a Seleção Brasileira de Futebol, não tomava de 7 a1...

É. Nem Freud poderia explicar!



Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.

Compartilhe:

6 comentários:

  1. Verdade meu amigo querido Antonio, nem Freud poderia explicar, bem colocado por aqui os nomes, os que vimos desfilar a nossa frente só trouxeram esperanças e com o passar da "carruagem" percebemos que só ladraram, que pena, triste fim, vamos indo meu amigo, a vida continua, somos brasileiros, acostumados com tantas decepções!
    Abraços, amei a colocação aqui nesses versos bem elaborados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mudam personagens, repetem-se nomes, surgem novos... o viver segue com suas decepções e venturas, aprender com as derrotas é a grande lição; no futebol e na vida.

      Obrigado.

      Um abração.

      Excluir
  2. Valores e pessoas que se perdem no caminho da história - sem memória... Focamos mais nos insucessos que nos momentos gloriosos... Mas, de uma coisa tenho certeza, Freud jamais conseguiria explicar... mas, um bom administrador monetário saberia contabilizar as polpudas contas bancárias em dólares ou euros... O Brasil merece mais. Os brasileiros que aqui vivem, lutam por um mísero salário, sequer tiveram (ou temos) o que festejar. Que acordemos rumo às urnas! Será o nosso jogo!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esse é o grande e verdadeiro "jogo" que precisamos vencer. A partida da cidadania contra esse "apagão" ético que contunde violenta e repetidamente o povo brasileiro.

      Um abração.

      Excluir
  3. Oi Antonio,
    Mas que doeu, doeu!
    Não me ligo em futebol, mas copa do mundo é diferente!
    Pois sim, foram apenas nomes de famosos...
    Lindo texto!
    Felicidades para você!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Doeu, dói e vai doer ainda mais se o Brasil não aprender a lição de dentro e fora dos campos.

      Um abração.

      Excluir

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.