Inveja. Um alter ego da “admiração”



... a “admiração” que desandou numa espécie de ciúme, deteriorou, degenerou, desnaturou... Perverteu-se, perdeu-se numa idolatria reversa, inversa, perversamente sem...


Homem com binóculo.


O invejado não tem tempo a perder. Está sempre ocupado, dedicando a dádiva das horas a coisas úteis, edificantes, construtivas: Trabalho, estudo, boa música, espiritualidade, família... O invejoso? Carente de vida própria, desperdiça seu tempo “tomando conta da vida alheia”.


Geralmente, o invejado é esforçado,empreendedor, empenhado, participativo... Constrói, cria, conquista, sonha, realiza, vence, faz sucesso... O invejoso?! Apenas rumina sua inveja! Enquanto o invejado se faz autor e protagonista da sua biografia, o outro terceiriza, confia ao acaso a sorte do seu desiderato...


O invejado busca seu lugar ao sol. O invejoso rasteja à sua sombra.


A inveja é a “admiração” que desandou numa espécie de ciúme, deteriorou, degenerou, desnaturou... Perverteu-se, perdeu-se numa idolatria reversa, inversa, perversamente sem noção.


O invejado é alguém! O invejoso é o que mesmo? Quem insiste em se fazer Salieri, jamais consegue ser Mozart.



Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.

Comentários

  1. Antonio, texto reflexivo sobre a inveja, ela mata quem a sente, ao invejado pode até lhe fazer sentir mal estar pela energia negativa do invejoso, mas passa logo, pois como dizes, o invejado não tem tempo a perder com coisas inúteis!
    Abraços meu amigo poeta querido!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A inveja é uma das tantas patologias que afetam as almas pequenas, que tardam em evoluir.

      Um abração e bom fim de semana.

      Excluir
  2. Já passei da fase de dar olhos e ouvidos aos invejosos... Mentalizo que sejam muito felizes e que se esqueçam de mim. Afinal, sou comum mortal como todo ser humano.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem se apraz em rastejar, não cria asas para voar. O invejoso não se dá tempo para perceber que a diferença entre ele e o invejado, é apenas uma questão de opção de vida. Colhemos aquilo que plantamos e "a semeadura é livre. Mas a colheita é obrigatória".

      Um abração e um bom fim de semana.

      Excluir
  3. Olà, Apon, como vai? Achei bárbara sua comparação com o sol e a sombra, bem ilustrativa. É impressionante a quantidade de pessoas que conheço que desperdiçam grande parte da sua vida cuidando da vida do doutro e desejando para si. É que realizar um sonho dá trabalho, traz responsabilidades, as pessoas preferem invejar a correr atrás. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tais criaturas, debruçam-se na janela do tempo para assistir a vida passar (a vida dos outros. É claro!), depois reclamam amarguradas, ruminando mágoas e ressentimentos, curtindo seu complexo de inferioridade sob a sombra dos êxitos alheios.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir
  4. Oi Antonio!
    Precioso texto!
    A inveja é um "bicho de sete cabeças"! O pessoa invejosa é negativa e maldosa!
    Espalha o "veneno por onde olha"!
    Deus me livre!
    Felicidades amigo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E o invejoso não se dá conta que o veneno da inveja, intoxica primeira e principalmente quem cultiva essa patologia da alma.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”