Inadiável



Tudo tem seu tempo e o presente é a realidade que dispomos. O amanhã é uma expectativa. Portanto: Adiar pode ser uma opção de alto risco.


Lágrimas.


Seu Nome: Trabalho.

Apelido: Sem tempo.

Adiava tudo:

Adiou o casamento com a mulher amada,

adiou o filho que pretendia ter,

seu curso superior,

a profissão na qual se realizaria,

aquela viagem sonhada,

a reconciliação com um parente afastado por um mal entendido,

a visita ao amigo distante,

o encontro com a turma do ensino médio...

Adiou assistir um show de Paul McCartney,

adiou tantas férias,

adiou os encontros familiares,

adiou a consulta com o cardiologista,

adiou o exame de próstata

aquela dieta receitada,

o largar o fumo,

a bebida,

o sedentarismo,

adiou as promessas de todo fim de ano.

Adiou, adiou, adiou...

Ontem ele morreu.

Não deu para adiar!


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.

Comentários

  1. Essa é a única ação - vital que está sempre conosco - a morte - que nunca podemos "adiar"... Não temos esse poder! E, nem assim, assimilamos nossa finitude!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vivemos iludidos, brincando de "senhores do tempo" até que a morte vem nos desiludir.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir
  2. Oi, Apon, achei seu conto o máximo, perfeito para repensar essa época do ano! A hora da morte é implacável... não há como adiar, negociar, estender prazos. O que se faz hoje é o que levaremos conosco na finitude. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não se deveria adiar a vida e a morte vem cobrar o alto tributo de nossos inconsequentes adiamentos.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”