Quadras natalinas



... Natal fraterno, minimamente desigual. Inspirado pelo Eterno, menos singular e mais plural...


Antonio Pereira Apon.


Presépio.


Natal do Cristo Jesus,

natal do amor e da paz.

Cantam loas os filhos da luz,

presente é o bem que se faz.


Natal para ricos e pobres,

Jesus a todos abraça.

Sejam plebeus ou sejam nobres,

seu amor todos enlaça.


Natal fraterno,

minimamente desigual.

Inspirado pelo Eterno,

menos singular e mais plural.


Natal da família humana,

do fazermo-nos mais iguais.

Jesus a todos irmana,

mestre do amor, Príncipe da paz.


Natal no coração,

no fazer e no pensar.

Ver no outro um irmão,

conjugar o verbo amar.


Natal de árvore, enfeite e presente;

de Noel o grande mito.

Natal do Cristo e toda gente,

do fazer um mundo mais bonito.


Natal do secreto amigo oculto,

do ter e do artifício.

Seja o ser o nosso culto,

Melhorar, o nosso ofício.


Natal da espiritualidade,

convida à reflexão.

No bolso, materialidade;

humanidade, no coração.


Clique na imagem abaixo para ler outro post de fim de ano, sorteado pelo sistema:


Clique aqui.


Ou clique num dos links abaixo para ler outro post de fim de ano, já escolhido aleatóriamente pelo sistema:



Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Belíssimo poema de uma realidade de natividade simples, orante e fraternal. Assim deveríamos ter em nossa mente o verdadeiro espírito natalino - o ser puro e bel na autenticidade do amor plural. Feliz Natal, Antonio! Feliz dezembro!
    Abraço da Célia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um feliz natal! repleto, transbordante da luz do Divino Mestre Jesus. Real, verdadeiro e insubstituível protagonista dessa festa. Noel é coadjuvante!

      Um abração natalino.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Folclore brasileiro em acróstico

Precisa de tinta para escanear?

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”