Remake. Chuvas que matam



... assistem a encosta a rolar sem dó; sinistra mistura de gente e lixo. Drama da vida real; desgraça mais que anunciada, tragédia de vender jornal. Quem há de acudir...


Deslizamento de encosta.


Chuvas novamente,

descaso outra vez.

Quem apostou a vida,

Assiste o “azar” bater a sorte;

lama e entulho,

descuido parindo a morte.

Eleitas, reeleitas autoridades de agora,

exumando desculpas de outrora,

assistem a encosta a rolar sem dó;

sinistra mistura de gente e lixo.

Drama da vida real;

desgraça mais que anunciada,

tragédia de vender jornal.

Quem há de acudir:

A quem não dorme em lençóis de seda?

A quem mal consegue dormir?

Gente acostumada a só “ganhar” a perda?

“Abrigados” no desabrigo,

perdendo tudo do “nada” que tem,

precipitados no perigo,

“acidentes” do desdém.

Chuvas de todo ano,

promessas de todo engano;

periféricos, pobres pretos,

programados para morrer.



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Pois então, Antonio... essas situações são repetições de todo uma gestão ao próprio umbigo, ao próprio bolso... Dos governantes, não espero nada, apenas mais impostos para que paguemos suas contas homéricas em supérfluos administrativos! Uma vergonha! Suas mansões estão muito bem vigiadas, abastecidas, sem nenhum perigo... O "povo" nada pode esperar do que migalhas quando caem dos banquetes...
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Reprises do descaso, do desinteresse e da incompetência. E o povo que se dane! Até o novo velho capítulo do próximo desastre das próximas chuvas.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”