A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

domingo, 30 de agosto de 2015

“Pai meu”. A “oração” dos corruptos, mentirosos, egoístas, egocêntricos e politiqueiros em geral



... pixuleco” meu de cada dia, dai-me hoje e sempre. Garantindo polpudas mamatas, rentáveis maracutaias e fartas licitações a combinar, fraudar e “aditivar”. Perdoai as minhas dívidas, ainda que eu não perdoe meus devedores, delatores, opositores, concorrentes, eleitores, gente honesta...


Homem contando dinheiro.


Pai meu que está no ganho fácil a qualquer custo; nas maquiavélicas coligações e conluios, superfaturamentos, pedaladas, fraudes, truques contábeis... Afinal, “os fins justificam os meios”.

Santificado seja o paraíso fiscal, a propina do empreiteiro, o operador, a lavagem de dinheiro, a bolsa populista, a verba não contabilizada, o caixa dois, três, quatro... E tudo que o valha.

Venham a mim todas as benesses e facilidades injustificadas e injustificáveis.

Seja sempre feita a minha inquestionável vontade. Aqui e onde eu possa faturar e superfaturar mais e mais.

sábado, 29 de agosto de 2015

“Pai nosso” ecumênico, inter-religioso, humano



... Não nos deixeis sucumbir à sedução do orgulho, da vaidade, do egoísmo ou qualquer outro desvario. Mas livrai-nos dos males...


A Criação de Adão.


Pai nosso que está em tudo e todos, manifesto no infinito universo de sua criação.

Glorificados sejam todos os vossos nomes e suas expressões em todos os idiomas, dialetos, culturas e religiões.

Venha a nós o vosso reino de paz, fraternidade, tolerância e inesgotável amor ao próximo, ao distante, o semelhante e diferente.

Seja feita a vossa vontade bendita em cada canto, recanto do infinito.

O alimento nosso de cada dia, sacie o nosso corpo e nosso espírito multiplicando e dividindo o pão da solidariedade, irmanando-nos acima de crenças, ideologias e qualquer condicionamento desumano.

Perdoa-nos na mesma proporção do nosso incondicional esforço e vontade sincera de perdoar.

Não nos deixeis sucumbir à sedução do orgulho, da vaidade, do egoísmo ou qualquer outro desvario. Mas livrai-nos dos males de nossa ignorância e atrasada materialidade.

Que assim seja!


Mão de Deus tocando a do ser humano gerando luz.



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Transplantar e abandonar. Não adianta



... O transplante faz a graça, A política, a desgraça de vidas arriscar. Sonega o medicamento necessário, oferta acompanhamento precário, ameaça sonhos, esperanças abortar...


Homem saudando o amanhecer.


Sem remédio e sem leito,

sem médico, sem jeito...


Transplante:


Vira lua que não faz luar;

lâmina sem fio,

barca sem rio,

navio sem mar.


Pé sem calçado,

calçado sem chão,

chão sem caminho,

pássaro sem ninho,

céu que perdeu a amplidão.


Alvorada sem sol,

dia sem arrebol,

laço transformado em nó.


“Presente de grego”,

desdita da sorte.

Bendito enredo,

tornado risco de morte.

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Ser humano



... Do tempo, do vento; relógio, necrológio; do que veste, do que despe; heroico, paranoico; erótico, caótico. Ser humano! Apesar do frígido, do fingido, do trago, do amargo; do porre, do que corre; do aborto, do morto, do incerto e do torto...


Homem Vitruviano


Antes do gênero, do essencial e do efêmero;

da classe social, do rótulo racial, do nível cultural;

da escolaridade, da hereditariedade;

da opção sexual.

Ser humano!


Além da teologia, da ideologia, antropofagia;

da teogonia, da agonia nossa de cada dia.

Do diploma, do idioma;

da naturalidade, da nacionalidade, da ancestral idade;

do dilema, teorema, do poema;

da ascendência, da descendência.

Ser humano!


Acima do vício, do ofício, do ócio;

da moralidade, da dualidade;

da promessa, do que professa;

da menorá, da hóstia, do agdá...

sábado, 22 de agosto de 2015

Vencedores são assim!



... abrem caminhos novos quando faltam caminhos, não se preocupam com o “impossível”, tornam-no possível! Vencedores não dão ouvidos às lamúrias dos acomodados e incapazes nem às arengas dos derrotistas e invejosos, não se acovardam nem arrefecem...


Linha de chegada.


O êxito é fruto da determinação e do sonho de quem acreditou no seu querer. Vencer dificuldades, transpor obstáculos, superar e superar-se, desafiar e desafiar-se, qual num grande triátlon. O sonho, a vontade, o querer. Grandes combustíveis das realizações. Inflamam o espírito obstinado e perseverante dos vencedores.


Parabéns a você!


Vencedores são assim! Chegam ao fim, realizam seus propósitos. Outros nem começam, uns desistem no caminho, abortam sonhos assustados por seus fantasmas interiores. Se auto-sabotam com suas incertezas.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Ditados políticos. Do pré-mensalão ao pós-petrolão



Por mais esperto o marginal, por mais organizada a quadrilha. Partidos e partidários, eles passarão, como tantos outros passam e passaram. Enquanto a cidadania não acorda de verdade esse Gigante Brasil. Vamos rir, debochar dos debochados. Um dia mandamos todos eles para um lugar condizente com o caráter dessa corja.

Antonio Pereira Apon.


Dinheiro espalhado.

A opinião pública, até pode não saber por que bate. Mas o político, com certeza, sabe por que apanha.


Novo Santo brasileiro. Imaculado Lula dos iludidos. Mártir dos políticos "honestos e padroeiro dos não concursados.


Pichuleco pouco, meu caixa dois primeiro.


Dinheiro não traz felicidade. Traz Ferrari, Porsche, Lamborghini...


Corrupto esperto rouba por dois.


Um parlamentar é pouco, dois é bom, três dá em mensalão.


Propina mole em licitação dura, tanto bate até que o aditivo fura.


Deus criou a fartura, o Diabo inventou a necessidade, veio o brasileiro e arranjou o atravessador.


Político honesto é que nem extraterrestre. Deve existir...


Em rio que tem piranha. Jacaré “Lava Jato”.


Mais vale um “baixo clero” no bolso, do que dois voando.


Quando o gato não vigia, o rato compra refinaria...


Um doleiro só não faz petrolão.


Uma mão lava a outra e as duas lavam o dinheiro sujo.


Deus que acuda, quando a PF cedo madruga.


Político não mente! Treina para a campanha.


Nada como uma delação após a outra.


Diga-me com quem roubas que te direi quem és.


Para os amigos, tudo. Para os inimigos, a “Lava Jato”.

domingo, 9 de agosto de 2015

Apressados, desapressados e a necessária normalidade



... cumprem suas órbitas num constante equilíbrio, a rotação da Terra proporciona-nos crepúsculos e alvoradas no seu tempo certo, a translação alterna entre estações nos momentos aprazados; sem pressa ou letargia, a lua rege o fluxo das marés...


Sistema solar.


Está muito em voga a preocupação com a correria frenética desse nosso dia a dia. Tem gente, que parece viver ligada no 220, fazendo trocentas e uma coisas ao mesmo tempo, pulando daqui pra li, de lá para cá como numa caricata prova de triátlon. O tempo urge e “ruge” também. É preciso fazer ontem o que poderia ficar para a semana que vem.


Por outro lado, temos aqueles que agem como um transgênico cruzamento entre tartaruga com lesma, uma “tartalesma” reumática, vivem se arrastando, postergando para a próxima década, o que devia ter feito no século passado. Gente que adora fazer da cama seu habitat natural.


Como Cronos (Deus do tempo), que engolia seus filhos. O tempo devora os dias e as horas ante a pressa estéril e a letargia infrutífera. Só o equilíbrio pode e deve reger o salutar ritmo da vida.

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Entre trilhos, sob o trem



A vida e a morte humana não pode atrapalhar, deter, parar o trem. Passa por cima do corpo, do morto, de quem já foi alguém. Foi!


Estrada de ferro.


Morreu entre os trilhos,

interrompeu o fluxo,

atrapalhou o trem.

Era apenas um morto,

era só mais um corpo.

Já não era alguém,

era agora ninguém;

o trem pode passar!

Passa por cima

do detalhe estendido no trilho.

Pouco importa,

se tinha pai, mãe filho...