Poema de um amanhecer, crônica de um outro dia



... acordando o desacordo das ruas. Acorda a cidade e seus sobreviventes: Engarrafamentos crônicos, violência endêmica, modernidade polêmica. Grita o despertador apressado e apreçado...


Cidade amanhecendo.


Arrulham os pombos,

bem-te-vis saúdam o alvorecer

Em meio à selva de concreto e tantas inconcretudes.

Ainda desacordada,

grande parte da cidade,

apercebe a paisagem,

poética pintura desse arrebol.

Trôpega,

a boemia Ainda intenta prorrogar a noite,

postergar o alvor;

tropeça nos restos desumanizados que disputam as sarjetas,

nos cães abandonados que viram latas,

reviram o lixo humano.

Qual penitente,

o gari varre a rua que já se vai sujar;

um, outro e outros tantos,

passam, jogam,

explicitam no chão seu grau de educação.

Vagam pedintes, prostitutas, gays e afins,

espreita o ladrão, o azar e a sorte.

O jornaleiro grita adormecidas manchetes.

As teclas do meu computador;

vão devorando o silêncio,

parindo esses meus versos sem rima.

Assobios de Whatsapp,

insones redes sociais,

barulhos de gente,

murmúrios da pressa,

eletromagnético “surfar” de informações.

Crentes e descrentes,

indigentes e abastados,

anônimos e famosos,

acordando o desacordo das ruas.

Acorda a cidade e seus sobreviventes:

Engarrafamentos crônicos,

violência endêmica,

modernidade polêmica.

Grita o despertador apressado e apreçado,

ditando a crônica de mais um estressado dia qualquer,

como qualquer outro estressante dia.


Pombos ao alvorecer.



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. Oi, Antonio!
    A tranquilidade ou agitação servem de inspiração ao Poeta!
    Bela cronica de um amanhecer!
    Feliz semana!
    Beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A inspiração está em tudo, em toda parte. Poetizar é garimpá-la.

      Um abração e uma inspiradora semana.

      Excluir
  2. Uma crônica que se repete na loucura do TER! Deixa-se o SER sempre em segundo plano, infelizmente! É o grau da "Pátria Educadora" que se rebelou diante de tamanha imprudência da verbalização de impotentes que se agarram ao último mastro da Pátria! ... "Pátria Honrada", pelos que acordam e sobrevivem na luta diária honesta.
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse tudo. Quem não é e nem sabe ter, cria desastres para si e para os outros. Farsantes incompetentes, fingidos canastrões, coveiros da verdade, da dignidade, parasitas da nação.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Precisa de tinta para escanear?

Folclore brasileiro em acróstico

Anonimato, internet e o anel de Giges

Você não precisa de cerveja para ser feliz

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Amigos não tão virtuais

Pai. Sem ser super, ser “Herói”