A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Poema para o poeta num dos dias da poesia



... E agora Drummond?! Aquele “anjo torto”, te mandou “ser gauche na vida”. Ele não entende, como tantos, a apercebe; incompreende a poesia. Vai Carlos! ...


Carlos Drummond de Andrade.


Poesia é janela para o sonhar,

porta para o infinito,

passagem para algum lugar.

O poeta, mago do sentimento;

faz com palavras, alquimia,

com versos; encantamento.

Versa gente e versa rio,

versa a morte e versa a vida,

atiradeira e passarinho.

Vice-e-versa, reversa o que der.

Poeta;

faz até de pedra,

poesia no meio do caminho.

quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Hoje é dia de que? Quer saber?



... esse nó desatar. Discernir: De esperar e esperança; compreender a diferença. Dia de adiantar o atrasado, antecipar o protelado, dar ao tempo seu valor. Dia de começar aquela...


Rosa Meditativa, de Salvador Dali.


Não sei se aniversaria algum famoso,

Se algum morreu,

Se a História conta algo cabuloso...

Hoje é dia de descomplicar!

Parar de reclamar,

deixar de implicar.

Dia de fazer diferente,

Fazer a diferença,

Não ficar indiferente.

Parar de enrolar,

de deixar pra depois,

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Consciência negra. Humanidade de toda cor



... parar de hipocrisia! Fazer real, a falsa racial democracia. O brasil é negro de toda cor; mesclado, misturado, miscigenado, parido com a negra dor. Afro-europeia Roma dos trópicos, singular e tão plural. Conspiração estética, equação étnica...


Antonio Pereira Apon.
Escravos trabalhando.


Negro é gente,

é a gente,

agente transformador;

transforma a dor!

Reparação,

Repara a ação!

A minha!

A sua!

A nossa ação!!!

sábado, 24 de outubro de 2015

Minimizar. O grande engano das “pequenas” coisas



... pessoas. Como os pepinos, carecem o cuidado de “pequenas podas”, para que a “rama nociva” não as estrague. Contudo, um surto de permissividade, omissão e negligência, vem...


Davi e Golias.


Um pontinho escuro na pele ou um minúsculo nódulo na mama, se descuidado, pode tornar-se um gigantesco incurável e mortífero câncer; negligenciado, um pequeno resfriado, pode evoluir para uma grande pneumonia. E aquele pontinho de ferrugem? Aquele buraquinho de cupim? ... Grandes coisas podem advir de coisitas tão pequeninas...


Acertadamente, um conhecido ditado popular diz: “É de pequeno que se faz o grande”. E um outro provérbio, elucida lembrando: “É de pequeno que se torce o pepino”; diz-se que para que consigam a melhor forma. Os cultivadores, precisam Retirar uns “olhinhos” para que os frutos se desenvolvam. Sem essa pequena poda, os pepinos criam uma rama sem valor, ficando com um gosto ruim e disformes.

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

RATIMBUM. A maldição da ignorância e os demônios do fanatismo



... sabe que a expressão RATIMBUM ou “rá tim bum”, é uma onomatopeia, imitação do som de uma banda percussiva, Abrindo ou fechando uma apresentação musical. Sendo depois incorporado ao final do “Parabéns pra você” como saudação, celebração ao aniversariante. O resto, é “viajar na maionese”, “bestajada” de quem não tem o que fazer...


Pintura: O aniversário.


A internet está cheia de “lendas urbanas”, mitos e farsas, que circulam por algum tempo, desaparecem e retornam tempos depois como novidades. Exumadas por pessoas desavisadas, desinformadas e/ou demasiadamente crédulas, que vão repassando enganos, sem o cuidado de fazer uma pesquisa básica no sapientíssimo Guru, o Google. Assim, tais equívocos tornam a circular com ares da mais pura verdade. Como: O caso das córneas sobrando no Hospital de Olhos de Sorocaba, a águia que se mutila toda para se renovar, os professores que não se curvam para o Imperador do Japão, o feijão com verme mortal, o texto "Precisa-se de Matéria Prima Para Construir Um País", que não é de João Ubaldo Ribeiro, meu texto (Receita para bem viver), citado como de Rubem Alves; meu poema (A pedra), como sendo de Renato Russo, Chaplin, plagiadores... ...


Por esses dias, recebi no Whatsapp, uma dessas “fábulas”, que chama a atenção pela ridícula falta de noção. E muita gente vai repassando nas redes sociais, sem nem ler direito, sem parar para pensar, refletir sobre o que está lendo, sobre o que está escrito; se o fizesse, certamente, não repassaria essas coisas que só merecem a lixeira, a tecla Delete. Entre muitas sandices, o anônimo, apócrifo, patético texto começa dizendo:


“RATIMBUM É uma palavra mágica usada pelos magos

persas na Idade Média.

Em rituais satânicos, elas eram pronunciadas assim

e ao contrário fazendo o mestres dos magos surgir das cinzas e realizar os

desejos de quem os proclamou.

Por muito tempo cantamos inocentemente um

"parabéns" pra alguém que está aniversariando.

Mas até aqui tudo bem. O que muitos não sabem é que depois damúsica vem um tal de "ra tim bum"

(isso significa: eu amaldiçôo você)

muitos não sabem, mas os demônios se divertem em muitas festas até cristãs.

Esse ratimbum é pronunciado até para os pastores e devemos tomar cuidado porque é essa mesma

a finalidade do maligno”...


Qualquer um, minimamente instruído,

domingo, 18 de outubro de 2015

Porquês



... Não ter medo de voar. Tudo aqui é passageiro, um pingo de tempo, uma gota do mar do infinito, um convite bonito para a vida viver. Aqui, ali, acolá...

Antonio Pereira Apon.


Pássaro azul.

São tantos os porquês da vida...

Porquê da dor? Porquê da lida?

São tantas idas e vindas...

Chegadas...

Partidas...

Se no hoje, não vemos resposta,

certamente, o ontem guarda a razão.

O amanhã, desvendará a incógnita,

não há por quê? sem solução.

Seguir em frente é o caminho,

nosso por que de aqui estar.

Você bebe o que?



... Não combinam com o consumo de bebidas alcoólicas. Com elas, combinam as brigas e crimes por motivo fútil, as agressões injustificáveis, razões para arrependimentos, os acidentes automobilísticos, os dramas familiares, as intercorrências...


Antonio Pereira Apon.
Sombra humana.


Mais que as mágoas, a bebida afoga a vida.


Homem se afogando.


Perguntas como a que intitula esse artigo, são muito comuns nas telenovelas, propagandas e outras produções. Como "a vida imita a arte" e a arte copia a vida. O álcool faz-se onipresente. Se o time ganha ou perde, na alegria e na tristeza, na saúde e na doença, no nascer ou no morrer, por ter brigado e por ter reconciliado, para festejar ou para lamentar, na chegada e na despedida... Tudo é motivo para bebemorar, "comer água"...

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Salve Professor! Salve-se a educação!



... vate paladino, aí, pro que der e vier. Professor de ponta, o sistema afronta, fazendo acontecer! Herói da escola pública, ante a deseducadora república, sua farsante instrução...


Mãos batendo palmas.


Semear saberes,

colorindo a vida com essa bela flor;

o saber liberta,

dá sentido à lida do Educador.

Professor faz parte dessa luta inglória,

derrubar barreiras,

desbravar fronteiras pela educação.

É partir pro front!

É cumprir sua sina,

contra quem o ensino afronte.

Profissional do ensino,

remando contra a maré;

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Gente. Usos e abusos fazendo a diferença



... Tecnologia farta! Mas, humanidade faz falta. O capital que tudo pode, só pra “quem pode”, o socorrer. Computadores em elevada potência, smartphones com tudo de...


Planeta Terra.


Modernidade.

Moderna idade,

que nos assalta em convulsa pressa.

Novos artefatos,

Novíssimas máquinas.

Velha humanidade,

antigos usos,

ancestrais abusos.

Para a vida ou morte a opção atômica;

câmeras que tudo veem, homens que nada enxergam,

telas de alta resolução, gente de baixa educação,

mundo conectado, corações desconexos.

A mercê do azar ou da sorte, saúde de morrer:

Tratamento de vanguarda, acessibilidade pra se ver,

remédio de ponta, pra dispor...

domingo, 11 de outubro de 2015

Outono-inverno de nossa geração



... O tempo passa, a vida passa. Herdamos do passado, legamos ao futuro, vivemos o presente. Essa a arte do existir, a dádiva do estar aqui ou ali, conforme os desígnios...


Paisagem antiga.


Quando as ausências vão ficando mais presentes nas fotografias, quando essas ausências nos acompanham com maior frequência, acordando saudades dos nossos mais caros momentos. É sinal que o tempo passou e segue a passar. Passou a primavera infantil, o juvenil verão e o outono da maturidade já vai enevando os cabelos, prenunciando o inverno... Nossa inconformada incompreensão dos ciclos dessa vida, é que nos faz melancólicos e tristes diante da não presença física. Mas, nascer, viver, morrer e renascer, formam o ciclo natural do existir. Na escola aprendemos que: “Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. Pois é, Antoine Lavoisier estava mais que certo. Independente da crença religiosa, a morte é uma transformação, transição do espírito para além desse instante. Tudo passa. E nós, passageiros que somos, precisamos seguir nosso infinito, onde todos nos reuniremos algum dia.


O tempo não para, a vida não pode parar. Outra e outras gerações, vão chegando, fazendo “a fila andar. Portanto, nesse outono-inverno de nossa geração, não cabe-nos demorar na deprê. Na equação entre o moderno e o retrô,

Mundo para os filhos, filhos para o mundo



... mundo melhor, precisa de pessoas melhores. Não existe mágica nem milagre. Tudo é consequência do que fazemos (ou deixamos de fazer). Parece óbvio, mas...


Antonio Pereira Apon.


Mãos com o globo terrestre.


Nos preocupamos com o mundo que nossos filhos vão encontrar no futuro. Mas, que filhos iremos deixar?


Parece que não nos damos conta, ou preferimos ignorar que: guerras, poluição, assassínios, corrupção, pedofilia, promiscuidade, roubo e toda espécie de mazelas, são obras de pessoas. E estamos preparando pessoas melhores?


Crianças mimadas, adolescentes sem limites, jovens egoístas e egocêntricos...


Como desejar um mundo melhor, se legamos ao futuro, pessoas iguais ou piores do que as que tem feito tanto mal ao nosso cansado planeta?

sábado, 10 de outubro de 2015

Eles passam. O Brasil fica



... Alienados esquerdistas, paranoicos direitistas; apopléticos socialistas, alucinados capitalistas, pelegos e lobistas, entreguistas, populistas... A ideologia de araque, o discurso Mandrake; passa o pão e passa o circo. Não pode passar a esperança...


Bandeira brasileira tremulando


Tudo passa,

Todos passam!

Passam “mocinhos” e bandidos,

passam “salvadores da pátria” e seus partidos;

a polarização,

as crises,

passa a devoção.

Passa o mal dito e o mal feito,

passa o mal eleito!

Os pais e o dia das crianças



... você já deve ter comprado ou está pensando no que vai dar a seu filho no 12 de outubro, sobretudo se você é daqueles que não mede sacrifícios para agradar seu rebento, quer que seu pimpolho tenha tudo o que você não teve...

Antonio Pereira Apon.


Conteúdo saindo da tela do computador.

Um dos grandes estratagemas do capitalismo é nos manter escravos do calendário, cativos das famosas "datas comemorativas".
 
Está chegando o dia das crianças e você já deve ter comprado ou está pensando no que vai dar a(os) seu(s) filho(s) no 12 de outubro, sobretudo se você é daqueles que não mede sacrifícios para agradar seu(s) rebento(s), quer que seu(s) pimpolho(s) tenha(m) tudo o que você não teve...


Muitos de nós procura dar tudo o que os filhos querem, mas quantas vezes paramos para refletir se estamos lhes dando o que precisam? Reparamos que o filho de Fulano é cheio de vontades, o filho de Cicrano é muito mimado, o de Beltrano é mal educado, o do outro não tem limites... E nós? Estamos cuidando para não incorrer nos mesmos erros?

terça-feira, 6 de outubro de 2015

Hora de acordar. Bom dia!



... Wi-Fi seduzindo a conectar. Notícias e trânsito acordando a rotina, e o despertador mandando trabalhar. A preguiça cabotina: Rolando, enrolando, querendo ficar. Ontem já é...


Paisagem de alvorecer.


O sol pinta a paisagem do alvor,

pássaros cantam loas,

nuvens moldam formas qual surreal escultor.

Cheiro de pão quente,

brisa matutina com aroma de café;

na rua, murmurinho de gente.

Nas redes sociais os cliques não param,

smartphones já querendo assobiar,

domingo, 4 de outubro de 2015

Dinheiro pode comprar muita coisa. Não tudo!



... pode comprar muitas coisas, trazer algumas, mandar buscar outras tantas. Pensar nisso não tem preço! ...


Caixa de dinheiro.


Pode comprar a presença física de alguém. Mas, alma e coração, não costumam compor esse tipo de relação.

Pode conseguir sexo de qualquer jeito. Mas nenhum jeito de amor.

Pode adquirir uma obra de arte. Mas não a arte da obra.

Pode proporcionar uma magnífica residência, com tudo do bom e do melhor. Mas lar, não é trabalho de engenheiro, arquiteto, decorador, paisagista...

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

Desilusão



... gente chafurda no vício ou cai em depressão, se aventurando no movediço terreno das ilusões; superlativando expectativas, superestimando vontades, erguendo mitos...


Narciso


Só se desilude quem se ilude. A desilusão é o mais severo efeito colateral da ilusão. Cultuar quimeras e acalentar fantasias, é degenerar os sonhos e sonegar realidade à vida. Quantas pessoas erguem belíssimos castelos de areia e tentam morar neles? Vivem perseguindo miragens, qual Quixote e seus “gigantes”. Apercebidas do possível, sobrevivem elencando as tantas impossibilidades; malbaratam o que possuem, ruminando o inalcançável; desprezam o real, entorpecidas por falsos ideais e desejos autistas.