RATIMBUM. A maldição da ignorância e os demônios do fanatismo



... sabe que a expressão RATIMBUM ou “rá tim bum”, é uma onomatopeia, imitação do som de uma banda percussiva, Abrindo ou fechando uma apresentação musical. Sendo depois incorporado ao final do “Parabéns pra você” como saudação, celebração ao aniversariante. O resto, é “viajar na maionese”, “bestajada” de quem não tem o que fazer...


Pintura: O aniversário.


A internet está cheia de “lendas urbanas”, mitos e farsas, que circulam por algum tempo, desaparecem e retornam tempos depois como novidades. Exumadas por pessoas desavisadas, desinformadas e/ou demasiadamente crédulas, que vão repassando enganos, sem o cuidado de fazer uma pesquisa básica no sapientíssimo Guru, o Google. Assim, tais equívocos tornam a circular com ares da mais pura verdade. Como: O caso das córneas sobrando no Hospital de Olhos de Sorocaba, a águia que se mutila toda para se renovar, os professores que não se curvam para o Imperador do Japão, o feijão com verme mortal, o texto "Precisa-se de Matéria Prima Para Construir Um País", que não é de João Ubaldo Ribeiro, meu texto (Receita para bem viver), citado como de Rubem Alves; meu poema (A pedra), como sendo de Renato Russo, Chaplin, plagiadores... ...


Por esses dias, recebi no Whatsapp, uma dessas “fábulas”, que chama a atenção pela ridícula falta de noção. E muita gente vai repassando nas redes sociais, sem nem ler direito, sem parar para pensar, refletir sobre o que está lendo, sobre o que está escrito; se o fizesse, certamente, não repassaria essas coisas que só merecem a lixeira, a tecla Delete. Entre muitas sandices, o anônimo, apócrifo, patético texto começa dizendo:


“RATIMBUM É uma palavra mágica usada pelos magos

persas na Idade Média.

Em rituais satânicos, elas eram pronunciadas assim

e ao contrário fazendo o mestres dos magos surgir das cinzas e realizar os

desejos de quem os proclamou.

Por muito tempo cantamos inocentemente um

"parabéns" pra alguém que está aniversariando.

Mas até aqui tudo bem. O que muitos não sabem é que depois damúsica vem um tal de "ra tim bum"

(isso significa: eu amaldiçôo você)

muitos não sabem, mas os demônios se divertem em muitas festas até cristãs.

Esse ratimbum é pronunciado até para os pastores e devemos tomar cuidado porque é essa mesma

a finalidade do maligno”...


Qualquer um, minimamente instruído, sabe que a expressão RATIMBUM ou “rá tim bum”, é uma onomatopeia, imitação do som de uma banda percussiva, Abrindo ou fechando uma apresentação musical. Sendo depois incorporado ao final do “Parabéns pra você” como saudação, celebração ao aniversariante. O resto, é “viajar na maionese”, “bestajada” de quem não tem o que fazer.


Vejamos um trecho do que diz Alex Martins no site: “Desejando Deus” no endereço (http://www.desejandodeus.com.br/2011/02/o-significado-de-ratimbum-sera-maldicao.html):


... “É uma invencionice sem tamanho, defendida pelo mesmo tipo de gente que acha que um reflexo é um espírito. Eu nunca fui e nunca serei amaldiçoado por conta de falar ra-tim-bum ou não.  Fico impressionado como hoje em dia nesse evangelho maluco fica tão fácil perder a benção de Deus. Perder aquilo que foi conquistado com tão grande sacrifício de Cristo é fácil, basta faltar ao culto, usar uma pulseira com as cores da Jamaica ou apenas dizer RATIMBUM”...

O Site: “Fato e farsa” (http://fatoefarsa.blogspot.com.br/2014/07/ra-tim-bum-seria-o-significado-de.html), supõe que tal aberração, seja obra de algum fundamentalista. E entre vários esclarecimentos escreve:


... “De acordo com ele, “Rá-tim-bum” significa “Amaldiçoo você”; entretanto, os críticos já apontam o conceito da boataria: em que idioma significa isso? Qual povo falava isso? De onde ele obteve tais informações? ”...

E FABRÍCIO MARQUES, na edição 102 de agosto de 2004 da Revista Pesquisa FAPESP (http://revistapesquisa.fapesp.br/2004/08/01/o-brasil-que-as-arcadas-vislumbraram), traz algo muito interessante:


... “O bordão “é pique, é pique, é hora, é hora, é hora, rá-tim-bum”, incorporado no Brasil ao Parabéns a você , é uma colagem de bordões dos pândegos estudantes das Arcadas da década de 1930. “É pique, é pique” era uma saudação ao estudante Ubirajara Martins, conhecido como “pic-pic” porque vivia com uma tesourinha aparando a barba e o bigode pontiagudo. “É hora, é hora” era um grito de guerra de botequim. Nos bares, os estudantes eram obrigados a aguardar meia hora por uma nova rodada de cerveja – era o tempo necessário para a bebida refrigerar em barras de gelo. Quando dava o tempo, eles gritavam: “É meia hora, é hora, é hora, é hora”.

“Rá-tim-bum” , por incrível que pareça, refere-se a um rajá indiano chamado Timbum, ou coisa parecida, que visitou a faculdade – e cativou os estudantes com a sonoridade de seu nome. O amontoado de bordões ecoava nas mesas do restaurante Ponto Chic, com um formato um pouco diferente do que se conhece hoje: “Pic-pic, pic-pic; meia hora, é hora, é hora, é hora; rá, já, tim, bum”.

Como isso foi parar no Parabéns a você ? “Os estudantes costumavam ser convidados a animar e prestigiar festas de aniversário. E desfiavam seus hinos”, conta o atual diretor da faculdade, Eduardo Marchi, de 44 anos, que relembrou a curiosidade em seu discurso de posse, dois anos atrás”...


Já (http://www.ensinoreligioso.seed.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=217), entre outras elucidações diz:


... “Conforme uma pesquisa, não há nada que comprove esta teoria do RÁ-TIM-BUM significar maldição, lembrando que os textos que fazem referência a esse fato carecem de informações básicas tais como: livro extraído, data de publicação, não sendo assim, de fonte confiável.

E se essa é uma palavra de encantamento dos Druidas Celtas porque só existe no Brasil?

Segundo o Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Língua Portuguesa, a palavra RATIMBUM é uma onomatopeia, é a imitação de um som. Neste caso o som emitido por uma bandinha de circo ou uma fanfarra quando quer chamar a atenção sobre uma finalização de uma apresentação. A caixa faz TARARÁ!, os pratos fazem TIM!, e o bumbo faz BUM! - TARARÁ TIM BUM, para tornar a palavra mais curta e fácil de falar elipsaram o TARA... e ficou só o RÁ, RA-TIM-BUM, com três sílabas”...


Creio que não restem dúvidas. Portanto, vamos parar de entulhar a Web com lixo. Cabeça é para pensar e discernir sobre nossos cliques. Rá tim bum para todos(as)!!! Em nome de Deus, dos homens e de uma internet mais inteligente. Vade retro ignorância!!!


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Comentários

  1. "Vá de retro ignorância", é isso mesmo, ainda bem que não tenho o hábito de curtir e/ou compartilhar algo sem antes me informar sobre o fundamento, o autor e a veracidade do que está sendo apresentado, na web há de tudo, difamam, enredam, fazem o "diabo", enfim...
    Amei ler aqui, sempre bom ter noção do que anda por aí e ficarmos atentos.
    Abraços meu amigo professor Antonio!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é. A verdadeira maldição, o real demônio que inferniza a humanidade é a ignorância. E ainda temos que ter cuidado para não compartilhar nem curtir: Lixo, plágio, insanidades...

      Um abração.

      Excluir
  2. Olá, António!

    Li, com toda a atenção, aliás, até reli algumas passagens da sua postagem.
    Sabia k era uma onomatopeia/onomatopaica, mas desconhecia seu significado. Não acredito, nem ligo pra esse tipo de coisas. Eu sou de Deus, e mesmo sendo pouco praticante, rezo e falo com Ele em qualquer lugar.

    Sabe k essas coisas de lendas, do passar de boca em boca, afinal, da História oral, pouco fiável foi, é e será sempre, desse jeito. Quem conta, acrescenta, deturpa sempre, pke é bastante difícil repassar pra os filhos/netos, por exemplo, lendas, histórias, fábulas, pke as pessoas não conseguem transmitir, exatamente, aquilo k leram ou lhes contaram há uns bons tempos.

    Evidente e nisso você tem carradas de razão, as pessoas vão à net, retiram um texto, uma frase, uma parvoíce qualquer e se dizem seus autores, o caso do seu poema "Pedra", k não era nenhuma tolice, mas um bom texto com autor. Vejo aí nos blogs, coisas como : autor desconhecido. Acredite k eu fico com dois pés atrás. Visito e pesquiso a net, até pke minha profissão a tal me "obriga" e tanto mais com formação superior em História, mas olha k eu não vou em histórias.

    Preciso da FONTE e da BIBLIOGRAFIA CONSULTADA, que deu origem ao artigo. Leio, o k me for possível, analiso e depois, tiro minhas conclusões.

    Este meu mais recente poema nasceu de um texto k li sobre a "Teoria das espécies" de Darwin. Creio k nem eu mesma sabia o k poderia resultar dali, mas eu qdo começo a escrever, nunca sei o k vai acontecer com as palavras, k, natural e involuntariamente se viram para a sensualidade e algum erotismo. Qdo sinto k estou conseguindo, fico mto feliz, e faço tanta alteração k até me fica doendo a cabeça, e depois, acho k o escrito está sempre incompleto, portanto sem epilogo.

    Agradeço sua visita e comentário, gentil e inteligente.

    Aquele abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já perdi a paciência com certos textinhos que confundem religião com alienação e autismo com fé. E essa mediocridade se espalha absurdamente, é curtida e compartilhada aos borbotões. Escritos de qualidade não ganham toda essa repercussão e ainda são descaradamente usurpados ´por plagiadores. A internet reúne o bem e o mal, o lixo e o luxo; resta conseguirmos separar o joio e o trigo.

      Um abração.

      Excluir
  3. Esqueci uma coisinha: a imagem que encima seu texto está uma delícia, e olha que nada tem de maligno, bem pelo contrário. Boa escolha!

    ResponderExcluir
  4. sendo religioso ou não, eu creio no que esta escrito na bíblia, maldiçoes são feitas através de palavras eu estudo anjologia e demonologia e aprendi que RATIMBUM, é sim uma forma de amaldiçoar alguém assim como você ir ao um lugar de pandemônios como baladas por exemplo, sei com abençoar e amaldiçoar pessoas, e também aprendi na escola a escrever certo e sem abreviaçoes por favor mais carinho pela língua portuguesa e tem coisas que nunca saem de moda, obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, Josiane. Seu ponto de vista, sua opinião está posta. E igualmente, procuramos tratar a língua portuguesa com todo carinho e respeito. Se cometemos algum erro, ficaríamos gratos em sermos alertados para a pronta correção.

      Um cordial e fraterno abraço, com votos de uma abençoada semana.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

+ lidas nesses 30 dias

Apedra. Poema de Antonio Pereira (Apon). O distraído nela tropeçou...

Acróstico junino

Precisa de tinta para escanear?

Vidas por um cinto. Sinto...

Poema para o amigo - Feliz dia do amigo!

A gente (Paródia de: A casa - Vinicius de Moraes)

Qual o limite da amizade?

Você não precisa de cerveja para ser feliz

Querido defeito de estimação…