A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:


domingo, 22 de novembro de 2015

Questão de exemplo





... Silencioso discurso de nossas ações, “grafia” daquilo que somos, lição de nossas crenças, herança de outros exemplos. São marcas do nosso caminho, pegadas do nosso caminhar, equação de nossas vivências...


A Criação de Adão.


Exemplo,

até pode ser:

Dito,

escrito,

ensinado...

Mas, exemplo de verdade;

Não é intencional nem premeditado,

simplesmente acontece!

Despercebido,

inesperado...

Silencioso discurso de nossas ações,

“grafia” daquilo que somos,

lição de nossas crenças,

herança de outros exemplos.

São marcas do nosso caminho,

pegadas do nosso caminhar,

equação de nossas vivências;

natural impressão de nossas convicções.

Exemplos frutificam e se tornam exemplo:

Aluno que se torna professor,

discípulo que se faz mestre,

gota que dá em chuva,

chuva que cria rio,

rio que ganha o mar.

Tornar-se exemplo, para quem te foi exemplo.

Eis a grande ciência!

Exemplos inspiram.

Mas, capacidade não se improvisa,

determinação não se inventa,

e só muita vontade para fazer acontecer.

Parabéns Daniel!



Para meu irmão caçula em 22 de novembro de 2015.



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Compartilhe:

12 comentários:

  1. Olá, António!

    Para ser irmão caçula (não existe no Português de Portugal), mas julgo ser o mais novo um poema mega bem estruturado.
    Não sei se o poema que lhe está dedicando é por ele ser aniversariante, então se assim for, muitos parabéns, felicidades, paz, amor e saúde pra você Daniel. Se for por outro motivo qualquer, seu poema reflete bem o que lhe vai na alma. Não é exemplo quem quer, mas quem o deseja e sabe ser. Naturalmente, que recebemos influências externas e seu irmão também as recebeu, talvez de vosso pai, Muito inteligente seu escrito!

    Bom domingo e melhor semana.

    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois desse post, só agora liguei o computador. Ando com uma espécie de “tédio internético”.

      Isso mesmo; na salada cultural do português brasileiro, caçula é uma palavra de origem africana, designa o irmão mais novo.

      Não foi aniversário dele não. Esse poema nasceu de uma conversa nossa sobre exemplos familiares. Exemplos são importantes e inspiram, mas, sem merecimento, trabalho e talento, nada acontece. Quantos tem grandes exemplos ao seu lado e não saem da província da acomodação. Só quem sabe fazer acontecer, é que aproveita os exemplos recebidos e se transforma num novo exemplo.

      Um exemplar abraço.

      Excluir
  2. Ao Daniel, parabéns mesmo, pois só com os exemplos que permanecem registrados em nossa memória, é que podemos celebrar datas que para sempre ficarão registradas!
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saber se transformar em exemplo é a arte de poucos. Coisa daqueles que acreditam e perseguem seus sonhos, seus ideais.

      Um abração.

      Excluir
  3. Oi, "garoto"!

    Tudo bem? Você ainda descansando, como é natural.
    Pensava já encontrar aqui conversa nossa, mas, ainda não. Sem problema.

    Te desejo um dia maravilhoso.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Descanso não. Foi enfado internético. Kkkkkkk...

      Um abração. Tudo de bom.

      Excluir
  4. Oi Antonio!
    Bela homenagem!
    Feliz semana, beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
  5. Ah, ah, ah! Agora, como você está enfadado (será que foi fada boa que fez coisa ruim a você?) "não" comento seus escritos, por um tempão, como seu abração. Está farto da Internet, mas carente de comentários (risos). Parece contradição, António! Então, uma sugestão: por que não posta mais espaçadamente? Já pensou nisso? Homem, em geral, não gosta de conselho de mulher, mas acaba fazendo o que ela quer. Vá a meu blog, se lhe apetecer, e me deixe um dos seus abrações (tenha cuidado com a minha cervical, porque está um pouco mal).

    Abraçoooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooooo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem instantes que a internet cansa e parece perder o sentido, uma enxurrada de mais e mais do mesmo, do ócio, da “cultura” inútil... Mas agora, o problema não foi enfado internético, foram uns reparos aqui em casa que bagunçaram tudo e me impuseram um recesso informático. Apesar do baixo número de comentários, o Blog vai razoavelmente bem em termos de audiência com uma média de 3.000 visitas diárias. Quanto a postar mais ou menos, isso depende da inspiração e ou de acontecimentos que se imponham, tem tempos que fico até mais de um mês sem postar, noutros, são dois ou três posts na semana. Talvez meu tédio nem seja culpa da internet, talvez seja mera rabugice... Sei lá! Talvez nem Freud ouse explicar. Já sei que tem coisa nova no seu Blog. Daqui a pouquinho passo por lá.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir
  6. Muito obrigado meu irmão. Mais uma vez lhe digo que você é um grande exemplo e é muito importante em minha vida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como lhe disse: Não fizemos nada de mais. Seguimos aquilo que acreditamos e aprendemos como o certo. E não adiantam exemplos se a pessoa não tiver determinação, capacidade e real vontade de fazer acontecer.

      Mas tem um exemplo que você desprezou e que muito me entristece: Fica torcendo pro Vitorinha em vez do Bahia. Que decepção!... Kkkkkkkk...

      Excluir

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.