A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Brasil folião. Feliz ano novo!





... essa farsa malsã. Impostos e mais impostos, Bobos-da-corte a custear a torpe fantasia; tributos para o bloco do nada, “contribuição” para o cordão de coisa alguma. Nefastos bailes nos palácios da ilusão, discursos vãs de vãos bufões. Cada vez mais caro: O impagável pão, o intragável circo...


Papel picado metalizado.


Finda em cinzas a folia;

acordar da realidade,

recesso do ócio,

ocaso da foliã fantasia.

Findo o carnavalesco delay;

tardio,

o tempo desperta para o ano que já foi novo,

e o país do faz de conta,

finge deixar os braços de Morfeu.

Pra lamento nosso;

o parlamento deles,

torna há três dias encenar trabalho,

e outros quatro inúteis para trabalhar.

Cai na lida o povo,

pra bancar o jogo,

essa farsa malsã.

Impostos e mais impostos,

Bobos-da-corte a custear a torpe fantasia;

tributos para o bloco do nada,

“contribuição” para o cordão de coisa alguma.

Nefastos bailes nos palácios da ilusão,

discursos vãs de vãos bufões.

Cada vez mais caro:

O impagável pão,

o intragável circo.

Tanta treta nas retretas que tocam a vida,

enredos de mentiras,

alienantes cantilenas;

atravessar da desilusão.



Foto do autor: Antonio Pereira (Apon).


Nosso conteúdo é de direito reservado. Sua reprodução pode ser permitida, desde que
seja dado crédito ao autor original: Antonio Pereira (Apon). E inclua o link para o site: WWW.aponarte.com.br
É expressamente proibido o uso comercial e qualquer alteração, sem nossa prévia autorização.
Plágio é crime previsto no artigo 184 do Código Penal.
- Lei n° 9.610-98 sobre os Direitos Autorais
.



Fale conosco.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Compartilhe:

11 comentários:

  1. Bom dia meu amigo poeta, também postei mais um poema mitológico sobre Morfeu! Agora é tocar a vida, quem sabe haja alguma saída?!
    Quem sabe depois dos sonhos alucinatórios se possa dormir nos braços de Morfeu e sonhar com Momo?!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora, tornamos à fantasia politiqueira tentando vender o "país das maravilhas" para os entorpecidos pela alienação ou dementados pela devoção por "santos do pau oco", falsos mitos, ídolos de barro, farsantes "salvadores da pátria", embusteiros fanfarrões...

      Um abração.

      Excluir
  2. O pão e o circo fica cada vez mais indigesto quando lemos sobre o "bloco da corrupção"... E, o povo ignora isso tudo e vai à forra! De quê? Para quê? Se sempre o prejuízo fica conosco nas migalhas de pão... Já o "circo" é diário, via mídia em geral! Seríamos "os bobos da corte?"
    Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Somos os "bons pagadores", na conta dos quais a politicalha com toda desvergonha e despudor, debita o custo de tanta bandalheira.

      Um abração.

      Excluir
  3. Olá, António!

    Aqui "não" posso começar meu comentário como você começou o seu em meu blog, porque me parece não haver nada "gostoso" em seu poema, portanto, a onomatopaica hummmmmmmmmmmm, não dá para aqui. Me entende?
    Terminou o carnaval, o do calendário, mas as pessoas continuam usando máscaras, o faz de conta, rindo, não sei de quê, os políticos e similares continuam o cortejo e não há quem imponha respeito, sinceridade e verdade.
    Acho que as pessoas até já estão acostumadas e dia em que a mentira, a hipocrisia e a insegurança não rondem os 200% já nem é dia para muita gente.

    Gostei muito do que escreveste, porque para além de estar bem escrito, tem semântica e muita, muita verdade. Infelizmente, as coisas vão continuar, do mesmo jeito. Há que ditar, determinar, pois só assim conseguimos chegar a algum lugar. O "medo", por vezes, é necessário.

    Boa semana.

    Aquele abraço.

    PS: deixei uma resposta para ti lá no blog.

    ResponderExcluir
  4. De fato. Por cá um nada palatável dissabor: Político, cultural, educacional... E cada vez mais, o povão explicita o seu apreço pelo que não presta: Música ordinária, político safado, celebridades nada célebres e tudo que seja fútil, raso, oco...

    Um abração e um bom final de semana.

    ResponderExcluir
  5. Oi, "minino" bonitão da Bahía (não podemos descurar esse conceito meu e não só - risos)!

    Como estás? Aqui, como sempre, e graças a Deus, tudo normal e sem folias.

    "Gosto", afirmaste no meu blog. Mas quem não gosta de "fruta" saborosa e "jardins" apetitosos e relaxantes!

    Tens toda a razão. As pessoas cada vez mais amam, preferem o que não presta e o que não tem valor. Aqui, se diz: foleiro, bimbo. Aí, brega e safado. Agora por música, gostaste de recordar "Nights in white satin" lá no blog? Dá para sentir, ressentir e trisentir (já sabia, esse verbo não existe. Inventei ele, agorinha mesmo). Desculpe, Sr. Professor!

    Tem estado chovendo "bué", que significa muito em todo o Portugal.

    Abração! Ora vamos decompor a palavra: abraço+ão (sufixo). Ok, aceito e envio também. Vai, aparecendo. "Tá"?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Música boa é atemporal, não passa, não fica ultrapassada... O resto é esse lixo, entulho (dito) cultural.

      Quanto ao gosto por frutas e jardins: Tem um pessoal com uns gostos esquisitos, estranhos, invertidos. Umas “modernidades”, uns modismos... Cruz credo! Acho que cada um é livre para gostar e provar do que quiser e ninguém tem nada com isso. Mas, comigo vale o que diziam os antigos: “Homem com homem, dá lobisomem. Mulher com mulher, dá jacaré”.

      Quanto ao “bonitão da Bahia”, como já lhe escrevi: Se não há problema oftalmológico, tem que ver esses delírios. Pode ser coisa séria! Kkkkkkkkk...

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir
  6. Ah, estou "exausta"! Só consigo chegar à publicação mais recente em teu blog à 3ª tentativa, porque vou sempre ou quase sempre parar a uma de 30 de Junho de 2012 e que até está comentada pelo Tunim(n). Por que será? Inoperância e desconhecimento meus, só pode!

    Tens toda a razão, António! Há pessoas e músicas que ficam para sempre.

    Verdade! Não consigo entender esse pessoal, acredite, e acho até que são antinaturais. Ah, não conhecia essas expressões, mas que deve dar aberrações, ai, isso deve. Ah, aberração não dá, nunca pode dar, porque GRAÇAS A DEUS não há reprodução possível, acho eu!

    Vejo já um pouco mal ao perto, mas dá para enxergar razoavelmente. Delírios? Hum! Nunca "sofri", nem "sofro" de tal enfermidade/patologia. "Menino feio", não é nada coisa séria!

    Meu blog completou, ontem, Dia dos Namorados, em muitos países, aí a 12 de Junho, seu primeiro aniversário. Algumas das pessoas (eu não chamei ninguém) que foram aparecendo foram deixando votos de boa continuação. Enfim, vamos lá ver se há inspiração para continuar a "alimentar" o nené.

    Abraço, mega abraço e boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda não descobri o motivo de sua dificuldade em encontrar a postagem mais nova. Tente entrar por: http://www.aponarte.com.br/atom.xml O post mais recente vai estar no topo, basta clicar no título para ler a publicação inteira.

      Esse mundo anda meio doido mesmo. Mas, deixa pra lá, cada um na sua...

      Parabéns pelo Blog! Certamente seguirá nos brindando com calientes versos. Parafraseando D. Pedro I: Se é para o bem de todos e felicidade geral dos leitores. Diga à blogosfera que fica.

      Um abração.

      Excluir
  7. OFFFFFFFFFFFF: Olá, António! Tudo bem? Aqui, também, embora com muito trabalho. Queria comentar "Brasil folião", mas não encontro o "continue lendo". O quadro "Lição de Anatomia" se encaixa lindamente no post. Abraço. Obrigada!

    ResponderExcluir

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.