Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2016

“Terrorismo gastronômico”. “Bombas” de gengibre

Imagem
... esquadrão antibomba, imprensa, fofoqueiros, desocupados... Ferveção nas redes sociais, desespero de familiares, siricuticos e chiliques aos borbotões...Antonio Pereira Apon.

A Bahia, terra de todos os santos, orixás, guias e afins. Vez por outra, se notabiliza por fatos folclóricos, pitorescos, paranormais, surreais... E como dizia o governador Otávio mangabeira: “Pense num absurdo, na Bahia tem precedente”, ou ainda o poeta Gregório de Matos: “A Bahia é a Bahia”!
Pois bem. Passado o susto e não havendo mortos ou feridos graves, Tem horas que a vida real, parece disputar com a ficção a arte de fazer rir nesse “país da piada pronta”. Um cidadão reprovado trocentas vezes no exame da Ordem dos Advogados do Brasil, inconformado e julgando-se injustiçado, perseguido, discriminado ou algo que o valha, resolveu se passar por “terrorista” (ou pelo menos, uma versão bem tupiniquim de um desses dementados). O sujeito exibiu um suposto colete com feixes de explosivos e mandou o povo correr par…

Amor ou posse?

Imagem
Há quem confunda amor e posse, degenerando o sentir. Estúpido tributo, delírio da egolatria; violenta, insana e bestial.Antonio Pereira Apon.

Amor cativa. Posse, encarcera. Amor cuida. Posse, ciúma. Amor é laço. Posse, nó. Amor é nós. Posse, eu. Amor é melodia. Posse, dissonância. Amor, plenitude do ser. Posse, mesquinhez do ter. Amor alforria. Posse, escraviza. Amor propõe. Posse, impõe. Amor constrói. Posse, devasta. O amor é altruísta. Posse, egocêntrica e egoísta. Amor alegra. Posse, desgraça.Amor é alvorada. Posse, crepúsculo. O amor é virtude. Posse, vício. Amor eleva. Posse, rebaixa. Amor perfuma. Posse, espinha. Amor é diálogo. Posse, monólogo. Amor partilha. Posse, furta. O amor é como a fé. Posse, tal qual o fanatismo. Amor encanta. Posse, entorpece. O amor enleva. Posse, deprime. Amor pacifica. Posse, guerreia. Amor é poesia e prosa. Posse, infame prosopopeia. Amor é sóbrio. Posse, demente. Amor cura. Posse, fere. Amor acaricia. Posse, agride. Amor a…

Girando qual pião

Imagem
... gira o clima da estação. Giram os saberes, os fazeres, quereres e haveres; roleta em giração. Morte, sorte, transformação. Gira o tempo, os dados, as bolas do bilhar...Antonio Pereira Apon.

Gira a vida, gira o mundo; gira o rumo qual pião. Gira o destino, o idoso, o menino... Tudo gira. Nada para! Giram as engrenagens, giram as rodas, gira a paisagem...

Quem te ama...

Imagem
... Quando o verão se vai, a primavera finda, o outono transita pro inverno infindar... Vão-se os amigos de ocasião, os parentes de convenção, os bajuladores de ofício, os amores de artifício...

Quando o dinheiro falta, a necessidade farta, o sucesso finda, a fama passa... Quando a vicissitude bate à porta, o sobrenome já não abre portas e o nome as faz fechar... Quando os títulos não mais contam, o cargo perdeu a importância, o ter, a relevância...

Ladainha - II

Imagem
Como dantes, rindo para não chorar, seguimos rogando piedade a Deus pelo Brasil e os brasileiros, ante tantos absurdos. Senhor, Piedade! Valha-nos Deus!

Pelo privilegiado foro, por quem foge do Moro; pela imunidade parlamentar, pela impunidade pra lamentar. Senhor, tende piedade de nós!
Pelo preço do feijão, pela volta da inflação; pela bazófia da jararaca, pela autoridade que matraca. Senhor, tende piedade de nós!
Pela corrupção endêmica, pela reforma polêmica; pela assistência parca, pela propina farta. Senhor, tende piedade de nós!
Pelo tríplex sem dono, pelo sítio sem ônus; pela escorcha tributária, pela política arbitrária. Senhor, tende piedade de nós!
Pelo limite na banda larga, pela carestia amarga; pelas desreguladas “agências reguladoras”, pelas populações sofredoras. Senhor, tende piedade de nós!
Pelo fiasco da copa, pelo eleitor que os “negados” topa;

Sementes de gente

Imagem
... transpiração consorciada com a inspiração, costuma ser extremamente eficaz e verdadeiramente efetiva na produção de “milagres” humanos. O ócio manieta, o vício entorpece, a preguiça esteriliza, a mediocridade aliena...

Na bíblica “parábola do semeador”, o Mestre Jesus versa sobre sementes: As que caíram no caminho e foram comidas pelos pássaros; as que ficaram entre pedras e secaram com o sol; as sufocadas entre os espinhos e as que frutificaram em terra boa, produzindo 30, 60 e até mesmo 100 vezes mais do que tinha sido plantado...

Contextualizando a lição evangélica com o atual momento e a postura humana ante a vida, cabe as seguintes analogias:
Tal e qual as sementes perdidas pelo caminho, entre outros pouco ocupados, podemos incluir a tal “geração nem-nem” (nem trabalha nem estuda).