A arte da vida. Apon HP


Obrigado por sua visita. Boa leitura!


Clicando na imagem, você lê uma postagem sorteada pelo sistema.



Pensata. Apon HP - Pense nisso...>

Nossos escritos mais recentes:



quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Voa passarinho!



... Desmentir a inexorável sentença de Caronte; voltar a barca, tornar à vida, reluzir, como semente que “morre” pra florir. Homem, feito passarinho, tem no voar o seu aninho...

Antonio Pereira Apon.


Pássaro em galho com flores.

Um dia o corpo finda,

para o espírito não findar.

É qual sol,

que guarda um arrebol em cada crepúsculo;

eclipse de um instante,

transitar de estações,

fluir do tempo,

pulsar do destino.

O agora desaguando no porvir,

acordando o há de vir.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

A arte e a vida



No drama ficcional, o personagem desaparece momentaneamente nas águas do “Velho Chico. Na tragédia da vida real, o ator mergulha para o infinito. Santo e Domingos. Ficção e realidade; arte e vida, com seus encontros e desencontros.

Antonio Pereira Apon.


Rio São Francisco - Frans Post.

A arte e a vida se imitam,

interagem,

se explicitam.

Mas a vida

costuma fugir do script.

Contesta o texto,

o contexto.

Impõe seu plano sequência;

um só take!

Sem corte ou edição,

sem ensaio ou preparação;

sem buscar o ângulo adequado,

a marcação correta,

a melhor luz,

a locação perfeita,

sem testar o som…

O destino segue!

Estejamos nós,

preparados ou não.

Não importa a opinião do “respeitável público”,

não conta a “audiência”…

A vida gira sem detença.

Surpreende e improvisa,

reescreve e não avisa,

pra sorrir ou pra chorar.

terça-feira, 13 de setembro de 2016

18 anos



... Queira ou não, o bebê da mamãe cresceu e dessa moda de “nem nem” (nem estuda, nem trabalha), esqueceram-se de contar que nem tem presente, nem tem futuro; deliberado sabotar de possibilidades, sonegar oportunidades...

Antonio Pereira Apon.


Aperto de mão.

A vida segue no seu ritmo, sem pressa nem demora. Não tem tecla de retrocesso, pausa ou avanço rápido. Tudo tem seu tempo e a seu tempo, tudo acontece na instantaneidade do presente, ao vivo e acores; sem videoteipe, câmera lenta... A idade, não é o link mágico, no qual, em se clicando, tudo vá acontecer de um instante para outro. Mas, deve e pode abrir o “termo de responsabilidade” do existir, o compreender e aceitar, que suas opções tem consequências, tendo que arcar com os ônus e bônus de suas escolhas.