quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Humanidade. Plural e singular

Antonio Pereira Apon


... ofusca a presunção de pequeninas estrelas atidas, viciadas nos reflexos dos próprios umbigos. A humanidade é um jardim diverso em flores, diversas cores e perfumes mil, universo singular de pluralidades...


Antonio Pereira Apon.


Operários - Tarsila do Amaral.


O respeito à diversidade precisa ser a tônica das relações humanas, nos permitindo iguais em nossas diferenças. Variadas etnias, múltiplas crenças, pensamentos, aptidões, vontades... A “verdade” não tem donos! Nenhuma religião tem o monopólio de Deus, a primazia de uma pretensa salvação nem a exclusividade de qualquer revelação. Nenhuma ideologia é autosuficiente ou se basta para solucionar caminhos. Ninguém é pior ou melhor, simplesmente, por ser diferente. O humano é tolerante. O inumano é radical, racista, xenófobo, extremista, misógino, homo fóbico, preconceituoso, maniqueísta... Ufa! Enfim. Desumano.


Quem condiciona-se em ser ilha, incomoda-se em admitir-se parte de um arquipélago; a luminosidade de uma constelação, ofusca a presunção de pequeninas estrelas atidas, viciadas nos reflexos dos próprios umbigos. A humanidade é um jardim diverso em flores, diversas cores e perfumes mil, universo singular de pluralidades, mosaico interativo, equação de pensares e sentires, fazeres e viveres, haveres em comum. Comunidade, unidade em comum.


Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Subscreva aos destaques RSS de:
Powered by FeedBurner

Antonio Pereira Apon / Author & Editor

Professor, poeta e escritor baiano, verdadeiro autor do poema: A pedra. O distraído nela tropeçou...

6 Comentários::

  1. Olá, António!

    Começando pela pintura, a achei muito fora do vulgar, incomum, mesmo.

    Teu texto está five étoiles. De facto, temos de aprender a conviver e aceitar a diferença, desde que essa seja saudável, útil e não interfira com terceiros.

    Aquele abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como se costuma dizer: "A liberdade de um, termina onde começa a do outro". Cada um faz o que quer da sua própria vida.

      Um abraçãozinho e bom fim de semana.

      Excluir
  2. Olá, Apon, bela crônica. Tem razão, penso que aquele que nega a diversidade mostra sua pequenez interior. E ainda que não tenhamos afinidades com alguém, tolerância e respeito precisam existir sempre. A humanidade anda egoísta e desrespeitosa, uma pena. Podemos ter belas surpresas quando nos abrimos a conhecer o que é deferente de nós. Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É "cada um no seu quadrado", tolerar e respeitar tanto quanto queremos que façam conosco. O resto é falta do que fazer, preconceito e demagogia.

      Um abração e bom fim de semana.

      Excluir
  3. Excelente post Antonio Pereira.Curti muito teu site. É na diversidade - quando a olhamos com humanismo e singularidade; que encontramos as riquezas.
    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A humanidade é múltipla, diversa... Isso nos faz somar e multiplicar aprendizado. Obrigado por seu gentil comentário e interação aqui e nas redes sociais.

      Um abração e uma boa semana.

      Excluir

Obrigado por ler e comentar nosso texto. Esse espaço é feito para você. Volte sempre!

Antonio Pereira Apon.

Coprights @ 2017, Blogger Template Designed By Templateism | Templatelib| Distributed By Blogger Templates20